Eduardo Leite deve permanecer no PSDB
Divulgação/Maicon Hinrichsen - 09/03/2022
Eduardo Leite deve permanecer no PSDB

Uma possível saída do PSDB pelo governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite (PSDB) , para ser candidato a presidente da República pelo PSD ficou mais distante, segundo dizem pessoas próximas ao gaúcho.

A decisão deve ser anunciada na próxima quinta-feira, já que o governador precisa voltar suas atenções para as articulações políticas em seu estado, onde o projeto de sua sucessão está travado.

O governador não conseguiu emplacar um nome na eleição estadual, o que preocupa o seu grupo político. Há inclusive pressão para que Leite seja candidato à reeleição e quebre sua promessa de não ter um segundo mandato. O cenário visto como mais provável, hoje, por correligionários é de uma renúncia de Leite no próximo dia 2 de abril.

Caso isso se concretize, ele poderia tentar voltar à corrida presidencial (o que sempre foi sua preferência) numa composição com outros partidos que negociam com os tucanos. Outra hipótese que também não é descartada seria disputar uma vaga ao Senado e até na Câmara - diante da debandada na bancada tucana, o partido vai precisar de puxadores de votos.

Até agora, um dos pontos que pesam contra uma mudança de partido é o risco de Leite ficar isolado na sigla de Gilberto Kassab. Nos últimos dias, ele ouviu lideranças de União Brasil, MDB e Cidadania que demonstraram contrariedade com a ideia de uma migração para o PSD, já que Kassab não participou das discussões de uma candidatura única com esses partidos.

Leia Também

Além disso, o presidente do PSD disse em entrevistas que escolheria o petista numa hipótese de um segundo turno com o presidente Jair Bolsonaro. Esses acenos de Kassab na direção do ex-presidente Lula não são bem vistos pelo eleitorado conservador identificado com Leite, o que poderia colocá-lo numa situação difícil com sua base.

Nos últimos dias, os movimentos de Leite indicam uma reaproximação com o PSDB. Lideranças tucanas fizeram uma carta que pedia a permanência do governador e contava inclusive com assinaturas de aliados do governador de São Paulo, João Doria - o paulista e o gaúcho travaram uma disputa acirrada nas prévias em dezembro.

Nessas conversas, tucanos colocaram à mesa inclusive a possibilidade de Leite assumir o comando da legenda em 2023 num esforço de renovação do PSDB e de construção de uma potencial candidatura para 2026. Esse gesto teria agradado o governador.

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo.


    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários