João Doria, Eduardo Leite e Arthur Virgílio
Twitter/ PSDB
João Doria, Eduardo Leite e Arthur Virgílio


Após mais uma reunião, o PSDB anunciou que vai concluir a votação das prévias até o próximo domingo (28). A eleição para escolher o tucano que irá representar o partido na disputa pela presidência da República começou ontem (21), mas  foi suspensa por instabilidades no aplicativo para registro do voto.

"O partido ainda aguarda manifestação da empresa contratada, a Faurgs. Se, até esta terça-feira, ela não oferecer garantias concretas de viabilidade e robustez da solução contratada, o PSDB adotará tecnologia privada para concluir o processo de prévias", disse a legenda em nota divulgada no Twitter. A decisão, segundo os posts, foi tomada pela direção do partido junto aos três pré-candidatos - o governador de São Paulo, João Doria, o ex-prefeito de Manaus, Arthur Virgílio, e o governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite.

Ainda neste domingo, os dois primeiros sugeriram que a votação fosse retomada em sete dias . Já o gaúcho defendeu que o pleito fosse retomado em 48 horas.

Enquanto isso, a legenda afirma que a empresa responsável pelo aplicativo ainda não esclareceu o que provocou a instabilidade. Ontem, o partido mencionou como problema a sobrecarga de acessos.

Apesar disso, o PSDB ressalta que "todos os votos registrados desde a abertura da votação" foram preservados e serão computados. "Em qualquer alternativa, a integridade do processo eleitoral será rigorosamente observada", frisa.

Leia Também


Troca de farpas

O problema no aplicativo de votação despertou outro conflito no PSDB: candidatos e seus apoiadores começaram a trocar farpas. Ainda no domingo, Virgílio disse considerar o PSDB "um caminhão carregado de maçãs boas" com uma maçã podre estragando as demais: o deputado federal Aécio Neves (MG)


Em resposta, o tucano mineiro reagiu, chamando Virgílio de "pouco relevante" e "laranja do Doria" . "Quando encontrá-lo, vamos ter uma conversa no pomar", debochou, em nota à imprensa nesta segunda.


Além disso, Eduardo Leite também alfinetou Doria , seu principal rival nessas prévias. "Do outro lado, nós vemos compra de votos, denúncias de pressões indevidas, suspensão de filiações, demissão de pessoas que não apoiam esse tipo de conduta", disse, ao chegar na sede nacional do partido, em Brasília, hoje.


Ontem, durante a eleição, a deputada federal Mara Rocha disse que apoiadores de Doria tentaram comprar o voto dela. A parlamentar bolsonarista não apresentou provas da acusação.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários