Ministra do STF Cármen Lúcia
Nelson Jr./SCO/STF
Ministra do STF Cármen Lúcia

Na tarde desta quinta-feira (19), a ministra do Supremo Tribunal Federal (STF) Cármen Lúcia deu um prazo de 24 horas à CPI da Covid para que os senadores esclareçam as quebras de sigilo do líder do governo na Câmara, Ricardo Barros (PP-PR) .

Hoje, o deputado pediu a suspensão da quebra de sigilo telefônico, fiscal, bancário e telemático ao STF — dados solicitados pela Comissão.

"Determino sejam requisitadas informações à autoridade indigitada coatora [a CPI da Covid], em especial sobre a quebra do sigilo fiscal a alcançar período anterior ao pandêmico (2016 até a presente data), para prestá-las no prazo máximo de 24 horas", escreveu Cármen Lúcia.

Você viu?

Nessa quarta-feira (18), o relator Renan Calheiros (MDB-AL), disse que Barros (PP-PR) passou à condição formal de investigado . A comissão apura a participação dele na negociação de vacinas no Ministério da Saúde, em especial nas tratativas com a Precisa , a empresa que representava no Brasil a vacina Covaxin .

A abertura dos dados de Barros foi aprovada nesta quinta pela CPI, além da  quebra de sigilo de influenciadores e blogueiros bolsonaristas .

A defesa do deputado recorreu da ação ontem, já sabendo que o pedido estaria pautado para a oitiva de hoje. A relatora do processo no Supremo será a ministra Cármen Lúcia. 

Os advogados alegam que a decisão da Comissão foi tomada com base em "ilações já rechaçadas pelos depoimentos colhidos na própria Comissão e na Polícia Federal". Além disso, a defesa também pede que haja "destruição geral e irrestrita" de todos os dados sigilosos de Barros que a CPI já tece acesso.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários