Lira é um dos principais apoiadores de Bolsonaro no poder Executivo
Isac Nóbrega/PR
Lira é um dos principais apoiadores de Bolsonaro no poder Executivo

O presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (Progressistas-AL), usou as redes sociais para se pronunciar sobre a tensão entre Judiciários e Palácio do Planalto nos últimos dias. Lira afirmou, neste sábado (07), que os poderes devem "dançar juntos ou separados, mas sem pisar no pé de ninguém". 

Essa é a primeira vez em que o presidente da Câmara se manifesta após as diversas acusações do presidente Jair Bolsonaro contra ministros do Supremo Tribunal Federal (STF). Nesta semana, o presidente do STF, Luiz Fux, subiu o tom e fez críticas severas a Bolsonaro no anúncio de cancelamento da reunião entre poderes. 

Lira citou Aristóteles, Locke e Montesquieu para comparar a necessidade de harmonia entre os poderes. 

"Neste fim de semana, sejamos ainda mais inspirados pelos ensinamentos de Aristóteles, Locke e Montesquieu, quando pontificaram sobre o sistema de freios e contrapesos que formam a separação entre os poderes", disse Lira. 

Você viu?

"É como dançar junto, quem sabe até separado, mas sem pisar no pé de ninguém. Assim é um baile bom, assim é a vida, assim deve ser a nossa convivência civilizada e sempre democrática, sempre harmônica, sempre independente", concluiu. 

Lira, no entanto, não criticou as falas de Bolsonaro contra ministros do STF e nem as fortes acusações de fraudes eleitorais com as urnas eletrônicas. O presidente da Câmara, inclusive, decidiu pautar a propostas que prevê o voto impresso no Plenário da Casa mesmo após a medida ter sido reprovada pela comissão especial que estudou o tema. 

A proposta, além de não contar com o apoio de diversos deputados e senadores, é um dos principais motivos do embate entre Bolsonaro e STF. Nesta semana, o presidente foi incluído, a pedido do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), como investigado no inquérito das Fake News. A ação se deve a live realizada no último dia 29 de julho, em que Bolsonaro ataca o voto eletrotônico.

Após a ação, Bolsonaro ameaçou agir fora da Constituição Federal e ofendeu os ministros do STF Alexandre de Moraes e Luís Roberto Barroso. O presidente, inclusive, chamou Barroso de "filho da p***" na última sexta-feira (06), em viagem à Santa Catarina. 

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários