Bolsonaro
Marcos Corrêa/PR - 29.8.19
Bolsonaro disse que ajuda oferecida pelo G7 para combater queimadas é "esmola"

Durante transmissão ao vivo em suas redes sociais, o presidente Jair Bolsonaro (PSL) disse nesta quinta-feira (29) que a ajuda de US$ 20 milhões (cerca de R$ 83 milhões)  oferecida pelos países do G7 - grupo das maiores economias do mundo - para ajudar no combate às queimadas na Amazônia se trata de "esmola".

"Tivemos um encontro na terça-feira (27) com os governadores da região amazônica. E ali, só um falou em dinheiro, aquela esmola oferecida pelo Macron. O Brasil vale muito mais que vinte milhões de dólares. Eu havia dito, há poucas semanas, que alguns países europeus estavam comprando o Brasil a prestação. Já gastaram mais de um bilhão de dólares pra cá [sic]. Aí eu te pergunto, o que fizeram com esse dinheiro? Me aponte um hectare replantado, uma ação positiva. Nada", afirmou Bolsonaro , sem explicar quais seriam os países citados.

Ainda durante a live em seu Facebook, o presidente não esclareceu se os US$ 20 milhões serão aceitos pelo Brasil. Sem provas, bem como das vezes anteriores , Bolsonaro criticou as ONGs e disse que o problema "não é desmatar", mas "desmamar esse pessoal".

O valor anunciado pelo presidente da França, Emmanuel Macron, foi rejeitado em um primeiro momento pelo governo brasileiro . Membros do governo, como o ministro da Educação, Abraham Weintraub, e também simpatizantes, como o deputado federal e filho do presidente, Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), fizeram duras críticas ao francês.

Posteriormente, no entanto, Bolsonaro voltou atrás sobre a recusa e disse que a ceitaria a ajuda do G7 caso Macron se desculpasse por supostos insultos feitos a ele. Nesta quinta-feira, na última declaração do presidente sobre o entrave com o francês, ele disse que só aconteceu porque Macron "é de esquerda" e ele de "centro-direita" .

    Veja Também

      Mostrar mais