Reunida no sudoeste da França neste final de semana, a cúpula do G7, que reúne as sete grandes economias mundiais incluindo a Alemanha, Canadá, Estados Unidos, França, Itália, Japão e Reino Unido, concordou em ajudar os países afetados pelos incêndios na Amazônia “o mais rápido possível”, conforme anunciou Emmanuel Macron, neste domingo (25).

Leia também: Protestantes entram em confronto com a polícia em encontro do G7

Macron
Divulgação
Macron ressaltou a importância da Amazônia para países da América do Sul e comunidade internacional em reunião do G7

"Há uma convergência real para dizer que todos concordamos em ajudar os países afetados por esses incêndios o mais rápido possível", declarou o presidente francês, anfitrião do evento que se encerra nesta segunda-feira (26) em Biarritz, no sudoeste do país.

As queimadas na Amazônia foram tema no G7 para que se chegasse a um acordo sobre a ajuda financeira para os países sul-americanos atingidos pelos incêndios a combaterem o desmatamento e conseguirem promover o reflorestamento.

Em seu discurso, Macron reconhece a importância da floresta para a América do Sul e para o mundo. “Respeitando a soberania, nós devemos ter um objetivo de reflorestamento. A importância da Amazônia para esses países e para a comunidade internacional é tão grande em termos de biodiversidade, oxigênio e luta contra as mudanças climáticas, que precisamos proceder o reflorestamento”, disse.

Leia também: Boris Johnson se junta a Macron e fala em 'crise internacional' na Amazônia

Segundo ele, os diálogos nesse sentido vão continuar na cúpula. O presidente francês ainda lembrou que a Colômbia fez um apelo à comunidade internacional para conseguir superar o problema. “Nós devemos nos mostrar presentes. Devemos finalizar isso”, ressaltou, sinalizando que a França está entrando em contato “com todos os países da Amazônia”, para oferecer “meios técnicos e financeiros” de ajuda.

Neste sábado (24), o presidente francês pediu a "mobilização de todas as potências" em prol da Amazônia. Segundo ele, essa parceria entre os países é importante para combater o desmatamento e investir no reflorestamento. “A Amazônia é nosso bem comum. Estamos todos envolvidos, e a França está provavelmente mais do que outros que estarão nessa mesa, porque nós somos amazonenses. A Guiana Francesa está na Amazônia”, afirmou.

    Veja Também

      Mostrar mais