Tamanho do texto

Em reunião com membros da cúpula neste final de semana, presidente da França afirmou que apoio financeiro será enviado "o mais rápido possível"

Reunida no sudoeste da França neste final de semana, a cúpula do G7, que reúne as sete grandes economias mundiais incluindo a Alemanha, Canadá, Estados Unidos, França, Itália, Japão e Reino Unido, concordou em ajudar os países afetados pelos incêndios na Amazônia “o mais rápido possível”, conforme anunciou Emmanuel Macron, neste domingo (25).

Leia também: Protestantes entram em confronto com a polícia em encontro do G7

Macron arrow-options
Divulgação
Macron ressaltou a importância da Amazônia para países da América do Sul e comunidade internacional em reunião do G7

"Há uma convergência real para dizer que todos concordamos em ajudar os países afetados por esses incêndios o mais rápido possível", declarou o presidente francês, anfitrião do evento que se encerra nesta segunda-feira (26) em Biarritz, no sudoeste do país.

As queimadas na Amazônia foram tema no G7 para que se chegasse a um acordo sobre a ajuda financeira para os países sul-americanos atingidos pelos incêndios a combaterem o desmatamento e conseguirem promover o reflorestamento.

Em seu discurso, Macron reconhece a importância da floresta para a América do Sul e para o mundo. “Respeitando a soberania, nós devemos ter um objetivo de reflorestamento. A importância da Amazônia para esses países e para a comunidade internacional é tão grande em termos de biodiversidade, oxigênio e luta contra as mudanças climáticas, que precisamos proceder o reflorestamento”, disse.

Leia também: Boris Johnson se junta a Macron e fala em 'crise internacional' na Amazônia

Segundo ele, os diálogos nesse sentido vão continuar na cúpula. O presidente francês ainda lembrou que a Colômbia fez um apelo à comunidade internacional para conseguir superar o problema. “Nós devemos nos mostrar presentes. Devemos finalizar isso”, ressaltou, sinalizando que a França está entrando em contato “com todos os países da Amazônia”, para oferecer “meios técnicos e financeiros” de ajuda.

Neste sábado (24), o presidente francês pediu a "mobilização de todas as potências" em prol da Amazônia. Segundo ele, essa parceria entre os países é importante para combater o desmatamento e investir no reflorestamento. “A Amazônia é nosso bem comum. Estamos todos envolvidos, e a França está provavelmente mais do que outros que estarão nessa mesa, porque nós somos amazonenses. A Guiana Francesa está na Amazônia”, afirmou.