Tamanho do texto

Chanceler Ernesto Araújo ainda complementou: "isso a mídia não mostra", frase, dita em reunião com diplomatas, deixou os colegas desconfortáveis

Ernesto Araújo arrow-options
Marcos Corrêa/PR
Fala do ministro sobre aquecimento global constrangeu restante da comitiva brasileira

Uma situação inusitada aconteceu durante reunião entre diplomatas da Secretaria de Assuntos de Soberania Nacional e Cidadania nesta sexta-feira (2). Após o responsável pelo Departamento de Meio Ambiente do Itamaraty expor relatório sobre o aquecimento global, o ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, afirmou não acreditar no tema e justificou ponto de vista com exemplo que deixou todos os presentes constrangidos.

Leia também: Guedes é pressionado pelo Planalto a tirar aliado de Moro do comando do Coaf

"Não acredito em aquecimento global . Vejam que fui a Roma em maio estava tendo uma onda de frio enorme. Isso mostra como as teorias estão erradas", afirmou o chanceler, conforme informa a revista Época. Araújo teria complementado ainda, para espanto das cerca de 60 pessoas que estavam no local: "Isso a mídia não noticia".

A declaração vem após período de elevação nas temperaturas em diversos pontos do planeta, como pôde ser visto nas últimas semanas em países europeus, que sofreram com um calor de mais de 40°.

Dados da ONU e de outras agências mostraram também que o último mês de julho foi o mais quente da história, o que só agrava a questão e evidencia o problema na fala do chanceler brasileiro.

Mais uma polêmica

No últim mês de junho,  ministro circulou recomendação oficial entre os diplomatas reiterando o “entendimento do governo brasileiro de que a palavra gênero significa o sexo biológico”, seguindo a linha do que já havia sido propagado pela ministra Damares Alves quando afirmou que "menino veste azul e menina veste rosa".

Leia também: Site 'O Antagonista' tem pedido de entrevista com Lula negado por juíza

Já no início do mês passado, Araújo chamou a Venezuela de  "elefante da sala da América do Sul"  e disse que o presidente  Nicolás Maduro se mantém no poder por possuir apoios externos. Além disso, afirmou que o governo Bolsonaro está tentando "desideologizar o Mercosul" .