Tamanho do texto

Quarteto do interior de SP teve prisão temporária (com duração de 5 dias) decretada por invasão ao celular de autoridades; advogado pedirá liberdade

Gustavo Henrique Elias Santos arrow-options
Reprodução
Suposto hacker e DJ, Gustavo Henrique Elias Santos é um dos clientes do advogado Ariovaldo Moreira

O advogado de dois dos presos na Operação Spoofing , Ariovaldo Moreira, disse que a Polícia Federal deverá pedir a prorrogação da prisão temporária de seus dois clientes presos por suspeitas de envolvimento na invasão da conta do aplicativo Telegram de autoridades, entre elas a do ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro.

Mesmo assim, Ariovaldo disse que vai ingressar com um pedido de revogação da prisão de seus clientes ainda nesta sexta-feira (26).

Ariovaldo é advogado do DJ Gustavo Henrique Elias Santos  e da sua mulher, Suelen Priscila Oliveira. Eles fazem parte do grupo de quatro pessoas que foi preso na terça-feira (23) pela Polícia Federal durante as investigações do caso. Além deles, foram presos os supostos hackers Walter Delgatti Neto e Danilo Marques.

Ariovaldo disse que "sentiu" de suas conversas com o delegado que preside o inquérito, Luiz Flávio Zampronha, que ele estaria convicto de que Gustavo e Suelen não tiveram envolvimento nas invasões.

"Estou convicto da inocência dos meus clientes e senti isso da autoridade policial. Senti do delegado que ele também está convencido de que meus clientes não se envolveram nessa empreitada criminosa", disse o advogado.

Walter Delgatti Neto tem sido apontado como o  principal responsável pelos ataques que atingiram telefones de autoridades nos últimos meses. Apesar de procurada pela imprensa, a defesa dele não vem se manifestando sobre o assunto publicamente.