Tamanho do texto

Filipe Barros (PSL-PR) alega que há indícios de participação do jornalista nos crimes cibernéticos de invasão de celulares por hackers

Glenn Greenwald arrow-options
Reprodução/Youtube
Deputado do PSL entende que Glenn Greewald deva ser preso


O deputado federal Filipe Barros (PSL-PR) protocolou na Procuradoria-Geral da República (PGR) um pedido de prisão temporária a Glenn Greenwald, do site The Intercept Brasil . Segundo o parlamentar, há indícios de que o jornalista tenha participação no crime cibernético de invasão de celulares de autoridades, entre elas o ministro da Justiça e Segurança Pública Sergio Moro e o presidente Jair Bolsonaro.

Leia também: Peritos afirmam que áudios vazados de Dallagnol são verdadeiros

Por se tratar de uma queixa-crime, a PGR vai analisar a denúncia e tirar uma conclusão sobre a relevância. Caso entenda que Glenn Greenwald tenha cometido um crime, o processo é encaminhado aos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF), que decidem sobre a prisão ou não do jornalista.

Glenn e outros jornalistas do The Intercept Brasil são os responsáveis pelas publicações de mensagens trocadas entre o ex-juiz Sergio Moro e procuradores da força-tarefa da Lava Jato no aplicativo Telegram. O site afirma que tem como política não revelar suas fontes, mas garante que tudo foi obtido sem qualquer pagamento.

Leia também: Moro edita portaria sobre deportação de estrangeiros "perigosos"; Glenn critica

Na quinta-feira (25), o jornalista usou o Twitter para afirmar que as mensagens obtidas pelo The Intercept Brasil vieram de invasão a celulares, mas negou que esteja por trás do mando do crime .

Glenn Greenwald virou alvo de ataques de defensores de Sergio Moro na internet e no Congresso. O jornalista, inclusive, participou de audiências em Comissões da Câmara para falar sobre a Vaza Jato.