Alice Fernandes da Silva tinha 51 anos
Reprodução
Alice Fernandes da Silva tinha 51 anos

Os corpos de Martha Maria Lopes Pontes, de 77 anos, e Alice Fernandes da Silva, de 51, encontradas mortas em um prédio de luxo no Flamengo, na Zona Sul do Rio , estão no Instituto Médico-Legal (IML) desde a noite desta quinta-feira. Os corpos passarão por necropsia. Parentes das duas são esperados para fazerem a liberação. Durante a madrugada, testemunhas já começaram a serem ouvidas na Delegacia de Homicídios da Capital (DHC), como o viúvo de Alice. Muito abalado, o porteiro Hilário Rodrigues Leite, de 62 anos, acredita que a mulher tenha tentado defender a dona do imóvel das agressões, e acabou morrendo. Os investigadores querem saber quem cometeu o crime.

"Acredito que ela foi tentar defender a dona Marta. Deixaram entrar: eles disseram que a dona Marta deixou entrar. Não se sabe. Disseram que eram os pintores", disse Hilário, acrescentado que, pelo horário, já não era mais para ela estar no apartamento. "Ela saiu de casa às 6h, eu fiquei dormindo, porque era o horário normal. Ela saia sempre às 15h, quando eu passava lá. Mas, ontem, não sei o que aconteceu, não era para ela estar lá."

Hilário disse ainda que o apartamento tinha passado por uma reforma recente e que, quando os homens iam trabalhar lá, ela quem abria a porta para eles.

"Geralmente, quando a minha esposa ia trabalhar, ela abria a porta, fazia café para eles."

Uma pessoa de muita fé

Uma amiga da diarista, Cássia Prudêncio, 38 anos, contou que Alice era uma mulher de muita fé e persistência, que conseguiu comprar seu imóvel comendo por anos pão com guaraná.

"A gente está tentando entender o que aconteceu. Alice era uma pessoa do bem. Ela comeu pão e guaraná natural durante anos para comprar o apartamento dela. Ela era uma mulher de fé e de persistência. 'A vida pertence a Deus', ela sempre dizia. Ela não chegou a comentar nada em relação a qualquer briga. Foi uma fatalidade. Como ela era muito protetora, acredito que ela foi defender a patroa", afirmou Cássia Prudêncio, 38 anos, empresária e amiga da família da diarista .

Fogo chegou ao teto

Um vídeo feito no cômodo onde a idosa foi encontrada morta mostram que o fogo chegou ao teto do apartamento. Nas paredes do aposento, que estavam com a tinta corroída das chamas, sobraram apenas as marcas de itens de decoração que estavam pendurados antes do incêndio começar. Em cima de uma escrivaninha objetos pessoais também tinham marcas de que foram queimados, e outros itens estavam quebrados, como a cúpula de um abajur. O corpo de Martha Pontes foi achado pelos bombeiros que atenderam ao chamado em meio aos destroços.

Alice Fernandes foi encontrada na cozinha do apartamento, próximo de uma das portas de entrada do imóvel e de um dos corredores da residência. Ela também foi degolada e parte da sua camisa estava rasgada. Parentes de Alice contaram que ela trabalhava como diarista para Martha Maria, visitando o apartamento três vezes por semana. Ela prestava serviços para a idosa há mais de 20 anos. Martha Maria deixou duas filhas e três netos.

As duas mulheres foram localizadas por bombeiros que foram acionados para um incêndio no imóvel, situado na Avenida Rui Barbosa, um dos principais endereços do bairro.

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo.  Siga também o  perfil geral do Portal iG.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários