Confronto no entorno da mesquita de Al-Aqsa, em Jerusalém
Reprodução / TV Globo - 29.04.2022
Confronto no entorno da mesquita de Al-Aqsa, em Jerusalém

Ao menos 42 palestinos ficaram feridos em uma  operação das forças policiais israelenses no complexo da Mesquita de Al-Aqsa, em Jerusalém Oriental ocupada, após uma crescente de violência na região.

O ocorrido se deu nesta sexta-feira (29), a última do mês sagrado muçulmano do Ramadã. A maioria dos feridos sofreu "lesões na parte superior do corpo", segundo a organização humanitária Crescente Vermelho, acrescentando que 22 pessoas foram levadas ao hospital.

A polícia israelense disse que as forças entraram no complexo depois que "manifestantes" atiraram pedras e fogos de artifício, inclusive em direção ao Muro das Lamentações, local sagrado judaico.

Testemunhas disseram que a polícia disparou gás lacrimogêneo e balas de borracha. De acordo com a polícia, três pessoas foram presas, duas por atirar pedras e uma por "incitar a multidão".

"Na última hora, o local ficou quieto e os fiéis [muçulmanos] estão entrando com segurança [no complexo]", informou a polícia ao jornal Al Jazeera .

Leia Também

As tensões, no entanto, continuam altas no local . Nas últimas duas semanas, quase 300 palestinos ficaram feridos em incursões israelenses no complexo de Al-Aqsa, um dos locais sagrados do Islã.

A onda de violência em Al-Aqsa ocorre em um cenário de violência desde 22 de março em Israel, na Cisjordânia ocupada e em Gaza. Pelo menos 26 palestinos e três palestinos morreram durante o período, a maioria deles em ataques das forças de segurança israelenses na Cisjordânia ocupada .

Doze israelenses e dois ucranianos também foram mortos em quatro ataques separados dentro de Israel. Dois dos ataques foram realizados na área de Tel Aviv por palestinos .

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo.


    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários