Diversos pontos de Mariupol já foram bombardeados pelo exército russo
Reprodução / Twitter - 30.03.2022
Diversos pontos de Mariupol já foram bombardeados pelo exército russo

O governo russo diz ter tomado a cidade ucraniana de Mariupol nesta quinta-feira (21). A Ucrânia ainda não se manifestou a repeito da possivel perda da cidade portuária. A informação foi divulgada pela TV estatal. 

Sergei Shoigu, ministro da Defesa russo, disse que Putin ordenou que a fábrica onde se mantém cerca de 2.000 soldados ucranianos rendidos fosse poupada. Outros 1.500 combatentes ucranianos se renderam, de acordo com o governo russo. 

Já conhece o canal do Último Segundo no Telegram ? Entre e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo.

Segundo Shoigu, os soldados que se mantém escondidos estão nos subterrâneos da fábrica Azovstal - que tem 6 km² e muitos túneis e galpões e "estão cercados e o perímetro da siderúrgica está bloqueado com segurança”.

 A vice-primeira-ministra da Ucrânia, Iryna Vereshchuk, exigiu que os russos liberem urgentemente, por meio de corredores humanitários, a saída de civis e soldados feridos da usina. Ela não confirmou que a cidade portuária caiu e está em poder dos invasores.

"Há cerca de 1.000 civis e 500 soldados feridos lá. Todos eles precisam ser retirados de Azovstal hoje", disse Vereshchuk em um post em rede social.

Leia Também

Leia Também

Ontem, a vice-primeira-ministra chegou a declarar que o corredor para retirar civis de Mariupol "não funcionou" e acusou as tropas russas de violar o cessar-fogo e bloquear os veículos.

"Infelizmente, o corredor humanitário de Mariupol não funcionou hoje como havíamos previsto", disse Vereschuck, que já havia anunciado um acordo "preliminar" com a Rússia para estabelecer um corredor humanitário na cidade portuária.

 A Ucrânia ofereceu à Rússia uma "sessão especial de negociações" em Mariupol, cidade portuária sitiada no Mar de Azov, informou Mykhailo Podolyak, conselheiro do presidente Volodymyr Zelensky e um dos negociadores, nesta quarta-feira (20).

"Estamos prontos para realizar uma sessão especial de negociações em Mariupol. Para salvar nossos jovens, o batalhão Azov, os soldados, os civis, as crianças, os vivos e os feridos. Todos", escreveu ele em sua conta no Twitter.

No sábado (16), o presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky, afirmou que uma eventual "destruição" das forças de defesa de Mariupol provocaria o  fim das negociações com a Rússia.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários