Deputado prega humildade e reforça apoio ao petista
undefined
Deputado prega humildade e reforça apoio ao petista

Presidente do Solidariedade, o deputado federal Paulo Pereira da Silva, o Paulinho da Força (SP), por pouco não abandonou a aliança acertada com o ex-presidente Luis Inácio Lula da Silva há cerca de dez dias, depois de ter sido vaiado por militantes do PT durante um evento de centrais sindicais para o qual havia sido convidado por Lula. O episódio, porém, foi contornado num encontro com a presidente do PT, Gleisi Hoffmann, e com o próprio pré-candidato petista à Presidência.

Já conhece o canal do Último Segundo no Telegram ? Entre e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo

Em entrevista ao GLOBO, Paulinho, que durante anos presidiu a Força Sindical, afirmou que Lula lhe prometeu proteção. Em outras palavras, o ex-presidente garantiu que o deputado não será mais atacado pela militância e que o espera ao seu lado no dia 7 de maio, quando será lançada a chapa presidencial formada por Lula e Geraldo Alckmin (PSB), o vice.

 "Ele chamou para si a responsabilidade", disse Paulinho.

Antes de selar as pazes e postar uma imagem de mãos dadas com Lula, na terça-feira passada, o deputado se reuniu justamente com o tucano Aécio Neves, a quem classifica como "grande amigo", e o ex-governador do Rio Grande do Sul Eduardo Leite (PSDB). No mesmo dia, veio a público uma gravação em que o ministro da Casa Civil, Ciro Nogueira (PP), tentava convencer Paulinho a abandonar o petista e aderir ao projeto de reeleição do presidente Jair Bolsonaro (PL). Embora tenha recusado a oferta, o parlamentar do Solidariedade diz considerar Bolsonaro um candidato difícil de ser batido.

Leia Também

Ele acredita, no entanto, que se Lula vencer, os partidos do centrão, grupo político em torno do qual o Solidariedade orbita, vão estar "em seis meses" com o novo presidente.

"Tem gente que não gosta e não sabe ser oposição",  justificou.

Paulinho da Força conta de sua conversa com Lula e com Gleisi Hoffmann, e diz o que o convenceu para a construção dessa aliança. O sindicalista comenta também sua relação com a ex-presidente Dilma Rousseff, com o deputado federal Aécio Neves (PSDB-MG) e com o ministro Ciro Nogueira, além da relação do Centrão com um possível novo governo petista, a expectativa do partido para as eleições e sua percepção sobre o pleito.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários