'O tempo está acabando', diz Papa Francisco sobre crise climática global
Reprodução
'O tempo está acabando', diz Papa Francisco sobre crise climática global

papa Francisco enviou uma carta aos católicos da Escócia e alertou que o tempo para enfrentar a crise climática "está acabando".

O documento foi divulgado pelo Vaticano nesta quinta-feira (11), véspera do encerramento da COP26, que acontece em Glasgow, maior cidade escocesa.

"Como vocês sabem, eu esperava participar da COP26 em Glasgow e passar algum tempo, ainda que breve, com vocês. Lamento que isso não tenha se provado possível", escreveu o pontífice.

Segundo o Papa, a cúpula climática de 2021 busca enfrentar um dos "grandes temas morais de nosso tempo: a preservação da criação divina, dada a nós como um jardim a ser cultivado e como um lar comum para nossa família humana".

"Vamos implorar pelos dons divinos de sabedoria e força para aqueles encarregados de guiar a comunidade internacional enquanto eles tentam enfrentar esse grave desafio com decisões concretas inspiradas pela responsabilidade em relação às gerações presentes e futuras. O tempo está acabando, e essa ocasião não deve ser desperdiçada", acrescentou.

A COP26 termina nesta sexta-feira (12), mas os quase 200 países participantes ainda não chegaram a um acordo sobre alguns dos pontos mais delicados das tratativas, como o aumento das ambições nacionais e a regulamentação do mercado de créditos de carbono.

Leia Também

Um rascunho do documento conclusivo da cúpula alerta que a ação humana já causou um aumento de 1,1ºC na temperatura média global em relação aos níveis pré-industriais, porém avança pouco em relação ao Acordo de Paris.

No tratado de 2015, os países se comprometeram a manter o aquecimento global neste século "bem abaixo" de 2ºC, promessa que está mantida no rascunho da conclusão da COP26, porém com o acréscimo de que são necessários "esforços para limitar o aumento da temperatura a 1,5°C acima dos níveis pré-industriais".

O texto "reconhece que os impactos das mudanças climáticas serão muito menores com um aumento de 1,5ºC do que com 2ºC" e cobra ações "significativas e eficazes de todas as partes nesta década crítica" para conter o aquecimento global.

"Limitar o aquecimento global a 1,5ºC até 2100 exige reduções rápidas, profundas e sustentáveis nas emissões globais de gases do efeito estufa, incluindo a redução de 45% nas emissões globais de dióxido de carbono [CO2] até 2030, em relação ao nível de 2010, e zerar as emissões líquidas até a metade do século", diz o rascunho.

O documento também pede que os signatários do Acordo de Paris fortaleçam suas metas ambientais nacionais e os "exorta" a "acelerar a eliminação progressiva do carvão e dos subsídios aos combustíveis fósseis".

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários