Presidente Jair Bolsonaro (sem partido)
Reprodução/Flickr/Palácio do Planalto
Presidente Jair Bolsonaro (sem partido)

Nesta quarta-feira (24), o  presidente Jair Bolsonaro (sem partido) voltou a criticar o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) e a dizer que a prova está mudando gradualmente. A declaração se deu durante uma solenidade no Palácio do Planalto para certificar escolas cívico-militares.

O mandatário voltou a falar sobre o Enem após a primeira etapa, que ocorreu no último domingo (21), já que, embora Bolsonaro tenha falado antes da prova que as questões teriam "a cara do governo", especialistas encontraram equilíbrio nos temas abordados . A segunda fase ocorre no próximo dia 28.

"Olha as provas do Enem como eram há pouco tempo, estamos mudando isso", disse ele na cerimônia. "Se eu pudesse interferir no Enem, pode ter certeza, a prova estaria marcada por questões objetivas, não ideológicas, como ainda vimos nessa prova", continuou.

O chefe do Executivo afirmou que gostaria de perguntar quem foi o primeiro general a comandar o Brasil em 1964, ou seja, na época da ditadura militar. "Não vou discutir se foi ou se não foi ditadura militar. Mas eu queria colocar uma questão, se pudesse: quem foi o primeiro general que assumiu em 1964? Foi o Castello Branco. Em que data? Eu queria perguntar. Duvido que a imprensa acertaria", disse.

Leia Também

Na ocasião, ele também afirmou que Castello Branco foi "escolhido" presidente da República "à luz da Constituição", sem considerar a tomada de poder de forma ilegítima à época. 

Além disso, o presidente criticou a prova da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), mecanismo que permite o exercício da advocacia no país. "Não consigo entender, uma pessoa faz cinco anos de direito e tem que fazer prova para trabalhar", acrescentou.

Entre suas falas, Bolsonaro também voltou a criticar a revisão do marco temporal — que deve prejudicar o processo de demarcação de 303 terras, onde vivem cerca de 197 mil indígenas  — e a defender a instalação de hidrelétricas no Rio Cotingo, apesar dos impactos socioambientais.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários