Antônio Carlos de Almeida Castro, Kakay
Alan Sampaio / iG Brasília
Antônio Carlos de Almeida Castro, Kakay

“O poeta é um fingidor. Finge tão completamente que chega a fingir que é dor. A dor que deveras sente.”                                                                Fernando Pessoa

O Brasil virou um país cansativo. Parece que o único assunto é a necessidade de resistir ao  governo que cultua a morte e despreza qualquer racionalidade . Perdemos, aos poucos, nossa veia lúdica, a capacidade de sermos simplesmente felizes, sem culpa. Uma pequena parcela de certa irresponsabilidade tem que fazer parte do dia a dia. Não dá para sermos, o tempo todo, absolutamente responsáveis e preocupados com o destino que teima ser mais do que errático. Somos um país que se perdeu, como um navio à deriva em um mar revolto.

A cada dia um descompasso. Um exemplo: a maioria das pessoas que vai prestar depoimento na CPI não tem compromisso algum com a verdade . A mentira virou a tônica, como um gesto de identidade nacional dos fascistas , ou dos seguidores dos bolsonaristas. Claro que nem todos são fascistas, mas fazem parte da ala dos passistas, dos apoiadores, dos que puxam a corda para manter a realidade distante. Como se realmente existisse um mundo paralelo , imaginário, habitado por esses seres estranhos. Mesmo o assunto sendo a vida humana, o que somos obrigados a ouvir é muito constrangedor.

E é muito difícil discutir com quem não tem comprometimento com a realidade. Como dialogar com alguém que acredita que a terra é plana, que tomar vacina é coisa de comunista e que a ciência não deve ser levada em consideração? Não estamos enfrentando uma visão diferente sobre o papel do Estado no atual contexto. A discussão não é sobre direita, centro ou esquerda. Somos confrontados nas questões existenciais. Básicas. Esses bárbaros estão fazendo uma política de terra arrasada. E ainda têm um grande apoio popular.

No dia 29 de maio, embora assumindo uma contradição em termos, um enorme número de brasileiros foi às ruas para marcar uma posição a favor da vida . Nós, que insistimos, como um mantra, na necessidade de usar máscara, de manter o isolamento, de não aglomerar, de lutar pela vacina, vimo-nos compelidos a soltar um grito para que fôssemos ouvidos. Uma voz que estava travada, engasgada e adormecida. Ainda que com máscara e respeitando a distância possível, foi meio estranho. Entendo os que optaram por não sair. A coerência deles só faz aumentar o meu respeito. Mesmo já tendo sido vacinado, eu me identifico mais com os que protestaram em um silêncio de recolhimento. Contudo, foi importante darmos uma cara ao nosso enfrentamento.

Você viu?

E, como escrevi aqui, fui de verde e amarelo como um sinal de que esses imbecis não podem usurpar nossas cores , como já fizeram com nossa alegria e com nossos sonhos. É preciso estarmos nas ruas e nos espaços públicos, para que, de certa forma, possamos materializar nossa esperança de ter o país de volta. É como se, num passe de mágica, nós ultrapassássemos, com segurança, o círculo de giz imaginário que nos aprisiona. Um resgate do menino que existe em cada um de nós.

Não tenho dúvida de que só saímos às ruas pela consciência plena de que o governo deste verme mata mais do que o vírus . Estamos no meio da tempestade perfeita, sendo tragados por ela. O que mata é a negação, é o desprezo solene pela ciência, é a politização da pandemia. Inevitavelmente, teríamos milhares de óbitos, como ocorreu no mundo todo, mas é necessário demonstrar e apontar que, segundo os especialistas, pelo menos um terço dos que faleceram aqui no Brasil pode ser computado na responsabilidade deste governo.

Certa vez, o Presidente, em um dos seus arroubos de ignorância, disse, ao falar sobre o número de mortos, que não era coveiro. Infelizmente, a história está comprovando que ele é sim o coveiro . Não só o responsável pelo desmonte do país em todas as áreas, principalmente na cultura, na educação, na saúde e na economia, como também pelo número excessivo de mortes em razão do desastrado enfrentamento da crise sanitária.

Por isso, estamos todos nas ruas, ainda que muitos só simbolicamente. É como se estivéssemos resgatando de volta um país que foi saqueado, que se esfacelou. Ao cantar nossos hinos, ao vestir nossas cores, pode parecer piegas, estamos ocupando um país que é nosso e devolvendo a nós mesmos a capacidade de nos indignar. Essa é uma luta que ninguém pode fazer por nós. E que só depende de nós. Sem medo de sermos felizes.

Vamos nos lembrar de Clarice Lispector:

“Embora às vezes grite: não quero mais ser eu! Mas eu me grudo a mim e, inextricavelmente, forma-se uma tessitura de vida.”

Antônio Carlos de Almeida Castro, Kakay.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários