Faixas de manifestantes na Avenida Paulista
Aloisio Mauricio/Fotoarena/Agência O Globo
Faixas de manifestantes na Avenida Paulista

Centenas de pessoas se  concentraram em ao menos seis capitais brasileiras nesta sexta-feira (23) para protestar em defesa da Amazônia e contra a política ambiental do presidente Jair Bolsonaro (PSL). O movimento foi motivado pelo crescimento na taxa de desmatamento e pelas queimadas que atingem a floresta amazônica há dias. Outros protestos estão marcados para acontecer neste fim de semana .

Leia também: Bolsonaro oficializa uso das Forças Armadas para controlar incêndios na Amazônia

Segundo dados do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), as queimadas aumentaram no Brasil 82% em relação ao ano anterior, entre janeiro e agosto. Na Amazônia , estão concentrados mais de 50% dos focos de queimadas em 2019, de acordo com os dados do Programa Queimadas.

O maior ato aconteceu em São Paulo. Os manifestantes se reuniram no vão livre do Masp a partir das 18h e por volta das 18h20 ocuparam as faixas da Avenida Paulista, que foram fechadas nos dois sentidos. Pessoas de todas idades compareceram à manifestação, que adotou tom muito crítico contra o presidente Jair Bolsonaro e o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles .

Faixa no ato em defesa da Amazônia%2C em São Paulo
Yago Sales / iG
Faixa no ato em defesa da Amazônia, em São Paulo

O funcionário público Jorge Carol, de 55 anos, falou com a reportagem do iG : "É impossível a gente admitir o governo incentivar o desmatamento, as queimadas. Desde as eleições, Bolsonaro faz apologia ao desmatamento. Também sempre se colocou contra as demarcações das terras e contra os povos indígenas", disse.

Manifestantes na Avenida Paulista chamam outras pessoas para o ato; assista

Usando máscara em simbolismo contra as queimadas, o arquiteto Igor Parsekian, 21, contou que distribuiu máscaras como forma de protesto. "A ideia é que todos se protejam como tribo não apenas com a fumaça, mas com as falas tóxicas do governo, das mentiras e difamações", disse ele, que entregou 120 peças do objeto.

Durante o ato, palavras de ordens como "fora, Salles" e "fora, Bolsonaro", foram entoadas pelos manifestantes. O presidente também foi xingado em diversos momentos. Por volta das 20h, o grupo começou a caminhar e desceram a Rua Augusta no sentido Jardins.

Manifestantes
Yago Sales / iG
Manifestantes seguram faixas em defesa da Amazônia na Avenida Paulista

Presidente da União Nacional dos Estudantes (UNE), Iago Montalvão participou do ato. "Não é a primeira vez que UNE luta pela Amazônia. Em 1990, fizemos a campanha 'A Amazônia é nossa'. Agora nós precisamos usar o potencial de mobilização dos estudantes para defender outras pautas importantes para o Brasil, como o Meio Ambiente. Queremos a saída do ministro Salles, responsável por essa destruição", afirmou.

Manifestantes
Aloisio Mauricio/Fotoarena/Agência O Globo - 23.8.19
Manifestantes seguram cartazes contra o presidente Jair Bolsonaro (PSL) na avenida Paulista

Um professor que preferiu não se identificar lembrou do ambientalista Chico Mendes, o qual o atual ministro Ricardo Salles disse desconhecer. "Chico Mendes apareceu em uma época de desmatamento e queimadas como a que vivemos agora. Ele é um símbolo de resistência que precisa ser lembrado para lutar contra os desmandos. Um ministro do Meio Ambiente que diz que não conheceu Chico Mendes demonstra sua incopetencia e não deveria estar lá", salientou.

O ato foi encerrado em frente ao prédio do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e Recursos Ambientais (Ibama), na Alameda Tietê, por volta das 21h. A Polícia Militar não registrou tumultos e também não estimou o público presente.

Leia também: Queimada na Amazônia destrói território indígena no Acre; veja fotos

No Rio de Janeiro

Manifestantes
Adriano Ishibashi / FramePhoto / Agência O Globo
Manifestantes se reúnem em frente a Câmara dos Vereadores na Cinelândia, Rio de Janeiro, em defesa da Amazônia

No Rio de Janeiro , manifestantes se reuniram com placas, faixas e cartazes na Cinelândia, em frente à Câmara Municipal. Foram entoados gritos para a saída do ministro Ricardo Salles e do presidente Bolsonaro.

Manifestantes
Adriano Ishibashi / FramePhoto / Agência O Globo
Manifestantes na Cinelândia, centro do Rio de Janeiro

O grupo deixou a Cinelândia e caminharam em direção ao prédio do BNDES, interrompendo a circulação de automóveis em algumas vias. Muitas pessoas carregaram placas com o rosto do ambientalista Chico Mendes. Em seguida, os manifestantes retornaram à Cinelândia, onde encerraram o ato em defesa da Amazônia e contra Bolsonaro e Ricardo Salles.

Em Brasília

Manifestantes
Claudio Reis / FramePhoto / Agência O Globo
Manifestantes carregam faixa em defesa da Amazônia e contra Bolsonaro, em Brasília

Na capital brasileira, centenas de manifestantes começaram a se reunir no fim da tarde na Rodoviária do Plano Piloto e, por volta das 18h, fecharam as seis faixas da via S1, no Eixo Monumental, e foram em direção ao prédio onde fica o Ministério do Meio Ambiente.

Frase contra o presidente Jair Bolsonaro foi feita durante o protesto em defesa da Amazônia%2C em Brasília
Claudio Reis / FramePhoto / Agência O Globo
Frase contra o presidente Jair Bolsonaro foi feita durante o protesto em defesa da Amazônia, em Brasília

Grande parte dos manifestantes são servidores do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), membros do Greenpeace, além de estudantes e pessoas comuns. Em frente ao prédio do ministério, imagens de queimadas e de fumaça preta foram projetadas em uma das paredes externas.

Indígenas também participaram do protesto. Diversas faixas e cartazes contra o presidente Jair Bolsonaro também foram vistos na manifestação. Por volta das 19h, a manifestação terminou em Brasília. A Polícia Militar não registrou incidentes.

Jovens protestam em defesa da Amazônia%2C em Curitiba
Gisele Pimenta / FramePhoto / Agência O Globo
Jovens protestam em defesa da Amazônia, em Curitiba

Em outras cidades como Curitiba , um grupo indígena se apresentou e posteriormente houve uma caminhada com centenas de pessoas pelo centro. Em outras cidades do país também foram registrados protestos em defesa da Amazônia , bem como em capitais ao redor do mundo .

*Colaborou Yago Sales, em São Paulo

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários