Reprodução
"Quem gosta de macaco é zoológico", diz homem em biblioteca

Um homem foi flagrado nesta terça-feira lendo o livro "Mein Kampf" (em português, "Minha Luta"), de Hitler, na Biblioteca Mário de Andrade (BMA), em São Paulo. Questionado pelas pessoas no local, o frequentador fez  ataques racistas e homofóbicos.

"Não gosto de negro. A cultura deles é uma bosta. Se prestassem, não eram discriminados pela sociedade", disse o homem. "Você vai à Praça da Sé e vê um monte de negro vendendo celular roubado na praça pública. Aí quer dizer que sou racista?", acrescentou.

"Estou aqui estudando, tentando melhorar, sair da p* desse país, que é um lixo. E vocês com esse papo de macaco, de favela, entendeu. Não sou obrigado a usar drogas, ficar chupando r* nas portas do banheiro público não, igual muitos fazem aqui", afirmou o homem.

Chamado de racista, ele deu uma resposta enfática. "Não gosto de negro, quem gosta de macaco é zoológico."

A BMA se manifestou por meio das redes sociais. Em nota publicada no Facebook, a biblioteca informou que o frequentador, que já havia tido problemas anteriores no espaço. Após o ocorrido nesta terça-feira, ele foi imediatamente levado para a 77ª Delegacia de Polícia para registro de ocorrência.

"A Prefeitura de São Paulo, por meio da Secretaria Municipal de Cultura, repudia veementemente as falas e atitudes nazistas, homofóbicas e racistas do frequentador flagrado na tarde desta terça-feira (02) na Biblioteca Mário de Andrade (BMA), um espaço marcado pelo respeito às diferenças de gênero, raça, orientação sexual e pela celebração da diversidade", diz o comunicado.


Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo.  Siga também o  perfil geral do Portal iG.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários