Dalva (ao fundo) com os filhos Luana, de 47 anos, e Frederico Raúl, de 60 — Foto: Arquivo pessoal
Arquivo pessoal
Dalva (ao fundo) com os filhos Luana, de 47 anos, e Frederico Raúl, de 60 — Foto: Arquivo pessoal

Dalva Freire Soares, de 86 anos, estava deitada no quarto enquanto sua casa, na zona sul de Recife, inundava rapidamente no início da manhã deste sábado (28), devido às fortes chuvas que assolam Pernambuco . Ao perceber a movimentação de seus dois filhos, levantou-se. Foi quando se deparou com o nível da água subindo cerca de 30 centímetros dentro da residência, o que nunca tinha presenciado até então. Assustada, passou mal. Com as ruas tomadas por enchentes, o socorro não chegou a tempo. Morreu nos braços da filha Luana, que tentava reanimá-la.

Até o momento, foram confirmadas 35 mortes em decorrência das chuvas que atingem a Região Metropolitana e a Zona da Mata desde segunda-feira. Apenas neste sábado, houve 30 vítimas em deslizamentos de barreira. A região está sob alerta de grande perigo, segundo classificação do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet).

"A gente acordou com a água dentro de casa. Só faltava chegar ao cômodo da minha mãe. Quando ela se levantou, falei para não sair, porque podia se machucar. Ela viu a situação dentro de casa e deitou de novo. Então, ela me pediu uma toalha, e percebi que estava com dificuldade na fala, puxando ar. Vi que estava ofegante. Ela estava passando mal", disse Luana ao GLOBO.

A filha de Dalvinha do Amor, como era chamada carinhosamente, ligou de imediato para o SAMU. Foi avisada que o serviço médico não conseguiria chegar até a casa por conta das inundações. Pelo telefone, Luana recebeu orientações dos médicos sobre como proceder.

"Minha mãe já foi desfalecendo. Tentei reanimá-la, mas não consegui. Na primeira vez, vi que ela tinha voltado. Depois, não resistiu. Ela se foi nos meus braços", conta Luana, que passou minutos abraçada a Dalva. "A gente fica sem acreditar, foi tudo tão rápido. A ficha ainda não caiu".

O corpo de Dalva só foi removido pela funerária por volta das 15h deste sábado, mais de 7h após sua morte. A causa ainda não foi confirmada, mas a suspeita é de infarto. Ela tinha cinco filhos, nove netos e três bisnetos. Ontem, completou-se um ano da perda de uma das filhas. Seu marido também já havia falecido.

Na casa de quatro quartos no bairro Imbiribeira, Dalva morava com Luana e o filho Frederico Raúl. Ambos estavam na residência quando ela morreu.

A Defesa Civil do estado orientou as pessoas a não passarem por áreas alagadas nem saírem de casa. Há previsão de mais chuva forte para os próximos dias. Em função da tragédia, o governo federal anunciou que uma força-tarefa chegará ao estado neste domingo (29).

O Governo de Pernambuco informou que a Central de Operações da Codecipe havia recebido dos municípios o registro de 516 pessoas desalojadas e 249 desabrigadas.

O governador Paulo Câmara anunciou que antecipou a nomeação de 92 novos soldados do Corpo de Bombeiros que iriam tomar posse a partir de 6 de junho, para reforçar o resgate às vítimas das chuvas. Também solicitou o apoio de efetivo das Forças Armadas, além de embarcações e aeronaves.

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo. Siga também o  perfil geral do Portal iG.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários