Corpos encontrados em área de mangue no Complexo do Salgueiro foram retirados pelos próprios moradores e envolvidos em lençóis brancos
Marcos Porto/Agência O Dia
Corpos encontrados em área de mangue no Complexo do Salgueiro foram retirados pelos próprios moradores e envolvidos em lençóis brancos

Uma operação deixou ao menos nove pessoas mortas no Complexo do Salgueiro, em São Gonçalo, no Rio de Janeiro. O confronto entre agentes policiais e civis aconteceu entre a noite de sábado (20) e a manhã de domingo (21).

Na segunda-feira (22), dez pessoas foram encontradas mrotas. Destes, nove foram identificados. O outro corpo, que ainda não foi reconhecido, foi encontrado junto com as outras vítimas em um manguezal. Entre os  indentificados estão:

1.  David Wilson Oliveira Antunes ;

2.  Ítalo George Barbosa Gouvea Rossi , o Sombra;

3.  Kauã Brenner Gonçalves Miranda ;

4.  Leandro Rumbelsperger da Silva , sargento do 7º BPM (São Gonçalo), morto em Itaúna numa emboscada;

5.  Rafael Menezes Alves ;

6.  Carlos Eduardo Curado de Almeida ;

7.  Douglas Vinicius Medeiros da Silva ;

8.  Élio da Silva Araújo ;

9.  Jhonatan Klando Pacheco Sodré ;


Operação policial

O 7º Batalhão de Polícia Militar em São Gonçalo é responsável por diversas operações na comunidade desde junho. A equipe tem como objetivo ocupar o território e diminuir os índices de criminalidade no local. 

O conjunto de favelas em São Gonçalo, que integra sete comunidades, entre elas o Complexo do Salgueiro, é uma região conhecida por roubo de cargas e veículos. Segundo informações da Polícia Civil, é da comunidade que costumam sair veículos com traficantes para realização de roubos. 

De acordo com a polícia, o criminoso à frente do tráfico na região é Antônio Ilário Ferreira, conhecido como Rabicó. 

O confronto

Leia Também

O confronto que durou 48h teve início na manhã de sábado (20), após o policial Leandro Rumbelsperger da Silva, de 38 anos, ser morto por criminosos que efetuaram disparo contra a equipe policial que estava inspecionando a região.

No mesmo dia, por volta das 22h, moradores do Complexo do Salgueiro relataram ouvir sons de tiros. A Polícia Militar informou que o Bope foi acionado para atuar no local e estabilizar o terreno.

No domingo de manhã, uma senhora de 71 anos, indentificada como Carmelita Francisca de Oliveira, ficou feriada após ser atingida por um disparo. Somente no período da noite a PM informou que estava realizando uma operação na região. 

Na segunda (22), os corpos foram encontrados e retirados por moradores em um manguezal. 

A Polícia Civil afirmou que vai investigar a PM pela demora ao informar sobre a ação na comunidade. Investigadores da Delegacia de Homicídios de Niterói, São Gonçalo, Itaboraí e Maricá (DHNSGI) afirmaram que a Civil só foi acionada na segunda-feira de manhã.

Depoimento de moradores

Ao jornal O Globo , moradores do Complexo do Salgueira deram relatos sobre a operação policial no local. Um deles, um leiturista de 45 anos, disse que houve "tiros para todos os lados e chefes de família ficaram em risco". 

"E o resultado é esse: nove corpos e muitos outros que podem estar no mangue. Não existe segurança pública no Rio. Eles tratam a gente com a morte. Aqui não tem nada. O estado não dá condições para a gente sobreviver. Nós somos manipulados pelo governo e eles fazem isso com a gente", afirmou.

Um mototaxista de 43 anos, disse que ação foi uma "chacina". "É uma sensação horrorosa. Infelizmente, a polícia só entra para matar. Eles não podem chegar aqui e fazer essa chacina", explicou.

A esposa de Jhonathan Klando Pacheco , um dos mortos durante a ação, relatou que o marido estava dentro de casa quando foi retirado da residência e executado.

"Eles fizeram uma varredura e levaram todos os homens que suspeitavam que era bandido. Ele estava em casa e fizeram essa arruaça. Eles estão lá já dois dias. Vivemos momentos guerra e a todo tempo a gente estávamos se jogava no chão", disse.

Complexo do Salgueiro

Somente em 2021, o Complexo do Salgueiro já contabilizou 42 tiroreios. Segundo o Instituto Fogo Cruzado, a região de São Gonçalo é um das mais violentas. Foram mais de 167 homicídios em confrontos com a polícia somente no Complexo do Salgueiro. 

Segundo o tenente-coronel Ivan Blaz, porta-voz da PM, a ação "foi necessária". Ainda assim, o  Ministério Público do Rio de Janeiro (MP-RJ) abriu um Procedimento Investigatório Criminal (PIC) para investigar a operação. O processo vai analisar eventuais violações da PM no caso.

A Organização da Nações Unidas (ONU) também reforçou a importância da investigação. De acordo com o órgão, o uso da força só deve ser aplicado em casos de extrema necessidade e respeitando a "legalidade, precaução, proporcionalidade e necessidade".



    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários