Operação da Polícia Civil cumpre mandados de busca e apreensão contra à milícia da Muzema
Daniel Castelo Branco / Agência O Dia
Operação da Polícia Civil cumpre mandados de busca e apreensão contra à milícia da Muzema


A construção dos prédios que desabaram na Muzema , em abril de 2019, rendeu uma grande movimentação financeira em lavagem de dinheiro para a milícia da Zona Oeste do Rio . Investigações da Delegacia de Combate ao Crime Organizado e Lavagem de Dinheiro (Dcoc-LD) apontam que os paramilitares fizeram uma fortuna milionária com outras empresas que foram abertas graças ao dinheiro conquistado com os lucros dos apartamentos irregulares. O desabamento deixou 24 pessoas mortas.

No último dia 3, em Rio das Pedras , comunidade vizinha da Muzema, mais uma família foi destruída após a queda de um prédio irregular, que deixou duas pessoas mortas e quatro feridas. Mesmo com a confirmação da Polícia Civil de que o imóvel não era da milícia, a tragédia acendeu mais uma vez o alerta sobre as construções ilegais na região.

Os dois bairros são considerados o berço dos paramilitares no Rio de Janeiro. De acordo com a corporação, a organização criminosa começou a ganhar forma naquela localidade, no início dos anos 2000, para só depois ir se expandindo para outras regiões da capital e do estado.

Em 10 de maio, a Dcoc-LD realizou a Operação Caixa de Areia, para cumprir mandados de busca e apreensão contra pessoas ligadas ao ramo imobiliário clandestino da milícia da Muzema e Rio das Pedras. Durante seis meses de investigação, a especializada descobriu que um dos alvos, que se apresenta como empresário, abriu, pelo menos, três empresas com o dinheiro da venda e aluguel dos apartamentos que desabaram: um bar e restaurante, e uma loja de conserto de motos, no Itanhangá, e um pequeno mercado, na Muzema.


Os agentes, que integram a força-tarefa da Polícia Civil de combate à milícia, também cumpriram mandados de busca nos estabelecimentos do homem. Ele é apontado como um dos empresários da construção dos prédios que desabaram na Muzema.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários