Bolsonaro
Marcos Corrêa/PR
Para especialistas, falta de governabilidade e inaptidão técnica podem ser responsáveis pela queda na popularidade

O número de pedidos de impeachment do presidente  Jair Bolsonaro (sem partido) parece refletir a  insatisfação de parte da população com o governo. Até o momento, em 19 meses de gestão, foram apresentados 33 pedidos para impedir o presidente de continuar no cargo, o que dá uma média de 1,7 pedidos por mês. Os números ficam ainda mais significantes quando comparados ao de outros presidentes que tiveram seus mandatos interrompidos por  impeachments.

Dilma Roussef,  impedida em 2016, durante seus 67 meses de mandato, teve 68 pedidos de impeachment, média de 1 por mês. Já  Fernando Collor de Mello, impedido em 1992, durante seus 30 meses de governo, teve 29 pedidos, média de 0,9 por mês.

dilma
Wilson Dias/Agência Brasil
Ex-presidente Dilma Rousseff teve 68 pedidos de impeachment, média de 1 por mês

Ou seja, em pouco mais da metade do tempo de Collor, Bolsonaro já utrapassou o número de pedidos de impeachment que o atual senador por Alagoas. E, se continuar no ritmo em que está, quando chegar aos 67 meses de governo - caso reeleito -, como Dilma, o número de Bolsonaro pode facilmente ultrapassar os 85 pedidos.

O tema mais recorrente entre os pedidos contra Bolsonaro é a  acusação de interferência na PF. Desde a saída de Moro, foram 16 novos pedidos. Outros temas recorrentes são:  apologia à ditadura militar, presença em manifestações antidemocraticas, ataques à imprensa e a  postura diante da pandemia do coronavírus (Sars-CoV-2).

Para o jurista Wallace Corbo, uma série de atos passíveis de seram considerados crimes de responsabilidade estão sendo cometidos pelo presidente. "No governo Bolsonaro, a população tem sido bombardeada por novas notícias, novos fatos e, inclusive, ameaças constantes de rupturas com a democracia que geram novas razões para se pedir o impediemento do presidente".

collor
Roque de Sá/Agência Senado - 7.8.2017
Fernando Collor de Mello teve 29 pedidos, média de 0,9 por mês

Para o cientista político Felipe Nunes, a política brasileira vive um período extremo de judicialização e "o impedimento de mandato não é mais excessão institucional, mas uma manobra de ameaça ao mandatário".

Para Nunes, essa presão por parte da população, aliado à pressão por governabilidade, fez com que o discurso de Bolsonaro mudasse. "Esse alto índice forçou o presidente a sair de seu discurso tradicional contra a montagem de uma coalizão de governo, levando-o a se aproximar dos partidos do centrão", complementa.

Já Victor Ganzella, especialista em direito constitucional, vê a falta de governabilidade decorrente de um esgotamento técnico, que foi base para a eleição do presidente. "O número pode atrapalhar a governabilidade do Presidente na medida que os demais políticos passam a evitar contato com a presidência a fim de se auto preservarem".

Ganzella também encontra semelhanças entre o governo Dilma Roussef e Jair Bolsonaro. "Ao meu ver, ambos presidentes demonstram desconhecer assuntos técnicos estruturais e relevantes para o bom desenvolvimento do país".

Vale lembrar: Qualquer cidadão pode entrar com um pedido de impeachment do presidente, desde que justifique o motivo com base na lei 1.079/50, conhecida como  'Lei do Impeachment'. Não existe um rito ou obrigação para que a Câmara dos Deputados coloque o pedido em votação. Por isso, o pedido mais antigo de impeachment contra Bolsonaro está em análise na mesa de Rodrigo Maia há mais de 450 dias.

    Veja Também

      Mostrar mais