Nova orientação do governo passou a valer nesta segunda-feira (15)
Reprodução
Nova orientação do governo passou a valer nesta segunda-feira (15)

Ministério da Saúde divulgou nesta segunda-feira (15) uma nova orientação sobre o uso de cloroquina e hidroxicloroquina, estendendo a recomendação para o uso precoce das drogas no tratamento de grávidas e crianças que tenham contraído Covid-19. A ampliação aconteceu no mesmo dia em que a FDA (Food and Drug Administration), agência reguladora dos Estados Unidos, revogou a permissão para o uso de cloroquina no tratamento da doença causada pelo novo coronavírus.

Leia também
Presidente não será protegido, nem perseguido no TSE, diz ministro Barroso
Senador apresenta ao STF pedido de prisão de ministro da Educação
Bolsonaro pede a auxiliares sugestão de substitutos para Weintraub, diz site

A orientação da pasta traz doses de prescrição da cloroquina desde o primeiro dia de sintomas. No caso das crianças, no entanto, na fase de sintomas leves, o órgão orienta que haja a prescrição apenas se o paciente tiver alguma condição prévia de risco, como diabetes, hipertensão arterial, obesidade e asma grave. Além de disfunções orgânicas crônicas, cardiopatias, pneumopatia crônica, doença neurológica crônica ou imunodeficiência.

"Seguimos no desejo de nortear uma orientação segura para os profissionais médicos, porque o que vemos são serviços privados continuarem a prescrição para gestantes, crianças e idosos de forma diversa. Não lançamos a orientação no início pela inúmera responsabilidade. E, no caso das crianças, porque não tínhamos orientações seguras para manejo dessas drogas", disse a secretária de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde , Mayra Pinheiro, que afirmou que o ministério levou em consideração pareceres da Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP).

O parecer da SBP, no entanto, orienta o uso dessas drogas em crianças apenas em estudos controlados, com anuência dos responsáveis.

Você viu?

Em caminho contrário, a  FDA, agência americana equivalente à Anvisa no Brasil, revogou ontem a permissão de emergência, no país, para o uso da hidroxicloroquina e cloroquina como tratamento para a Covid-19 .

Por meio de documento, o órgão informou que “não é mais razoável acreditar que as formulações orais de hidroxicloroquina e de cloroquina possam ter eficácia no tratamento da doença e que seus benefícios superem riscos conhecidos e potenciais”.

O medicamento havia sido liberado pela própria FDA , em 28 de março, para uso emergencial em pacientes graves e hospitalizados. Na época, o presidente Donald Trump afirmou já ter utilizado a cloroquina como preventivo e que associada ao antibiótico azitromicina “tinha uma chance real de ser uma das maiores mudanças na história da Medicina”. De acordo com a FDA, a decisão foi tomada com base em novas informações e em uma reavaliação dos dados disponíveis à época da liberação.

Questionada sobre a ampliação do uso de cloroquina no Brasil no mesmo momento em que outros países adotam restrições à droga, Mayra Pinheiro criticou a agência americana.

" Seguimos tranquilos, serenos e seguros sobre a nossa orientação . Os trabalhos citados na carta da FDA mostram referências que não podem ser utilizadas nem pelo Brasil e nem pelo mundo. São trabalhos de péssima qualidade", disse a secretária.

De acordo com o Ministério da Saúde , até o momento o governo já distribuiu 2,9 milhões de comprimidos de cloroquina para todos os estados.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários