Tamanho do texto

Pedido de habeas corpus foi sorteado para Gilmar Mendes, mas, por conta do recesso, ficará a cargo do presidente do STF, ministro Dias Toffoli. Confira

Defesa de João de Deus protocolou o terceiro pedido de liberdade para o médium na mesma semana em que ele foi preso preventivamente
Marcelo Camargo/ABr
Defesa de João de Deus protocolou o terceiro pedido de liberdade para o médium na mesma semana em que ele foi preso preventivamente

A defesa de João de Deus entrou com o terceiro pedido de liberdade para o médium em menos de uma semana da efetivação da prisão preventiva contra ele, dessa vez no Supremo Tribunal Federal (STF). O pedido foi sorteado para o ministro Gilmar Mendes, mas, como foi apresentado após o início do recesso do Judiciário, será analisado pelo presidente do STF, ministro Dias Toffoli, que está de plantão.

Leia também: STJ nega segundo pedido de habeas corpus e João de Deus segue preso

A data do novo pedido de habeas corpus para João de Deus também chama a atenção por ter sido protocolada no STF apenas um dia após o  Superior Tribunal de Justiça (STJ) negar a liberdade ao médium que se  entregou para as autoridades apenas no último domingo (16), mesmo  após ter sua prisão autorizada na sexta-feira (14) após o Ministério Público de Goiás (MP-GO) confirmar que ele teria sacado R$ 35 milhões de suas contas pessoais .

A prisão preventiva de João de Deus foi decretada pela Justiça de Goiás com base em 15 denúncias já formalizadas pelo Ministério Público em Goiânia. O médium, no entanto, é acusado por mais de 500 mulheres de ter cometido abuso sexual durante seus atendimentos espirituais na Casa Dom Inácio de Loyola, em Abadiânia (GO), e chegou a ser considerado foragido pelo Ministério Público depois que os policiais civis procuraram por ele em mais de 30 endereços entre sexta-feira (14) e sábado (15) e não encontraram.

No pedido de liberdade , o advogado que atua na defesa de João de Deus, Alberto Zacharias Toron, argumenta que o médium é réu primário, tem residência fixa, é idoso e possui doença vascular grave . No domingo (16), logo após João de Deus se entregar à polícia, o advogado já tinha afirmado que a  prisão domiciliar com o uso de tornozeleira eletrônica era "o mais justo" no caso e que entraria com o pedido de liberdade para seu cliente no dia seguinte, já na segunda-feira (17).

Leia também: João de Deus nega ter movimentado R$ 35 mi e afirma que sofreu ameaças

Desde então, porém, a defesa de João de Deus acumulou negativas da Justiça. Além da decisão do próprio ministro Nefi Cordeiro, do STJ, que negou o pedido de soltura e ainda retirou o sigilo de Justiça do processo alegando que "o instituto não serve à proteção do autor de supostos crimes contra a dignidade sexual", o desembargador do Tribunal de Justiça de Goiás (TJ-GO) Jairo Ferreira Júnior já tinha decidido na última terça-feira (18) que João de Deus deveria permanecer preso.

Dessa forma, o médium João Teixeira de Faria, de 76 anos,  segue preso desde o último domingo no Complexo Prisional de Aparecida de Goiânia conhecida como Casa de Custódia de Goiânia. Mandados de busca e apreensão cumpridos pelos agentes da Polícia Civil em sua casa na última terça-feira (18)  apreenderam mais de R$ 405 mil em cédulas brasileiras, dólares, euros, libras, dólares canadenses e outras moedas estrangeiras, todas escondidas num fundo falso do armário no quarto de João de Deus.

Segundo o diretor-geral da Polícia Civil de Goiás, André Fernandes, também foram apreendidas seis armas e diversas munições que estão sem registro. Um dos revólveres, inclusive, está sem numeração e o médium não tem permissão para posse de arma.

Leia também: STJ nega segundo pedido de habeas corpus e João de Deus segue preso

João de Deus nega todas as acusações e, inclusive, alegou, em depoimento prestado às autoridades policiais no último domingo, que não faz atendimento espiritual individualizado a portas fechadas na sua sala na Casa Dom Inácio de Loyola, onde as vítimas relataram que os abusos sexuais foram cometidos.

    Notícias Recomendadas

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.