Tamanho do texto

Segundo o MP de Goiás, a movimentação nas contas bancárias do médium teria adiantado o pedido de prisão; João de Deus é considerado foragido

Médium João de Deus  sacou R$ 35 milhões depois de receber primeiras denúncias
Divulgação
Médium João de Deus sacou R$ 35 milhões depois de receber primeiras denúncias

O Ministério Público do Estado de Goiás (MPGO) confirmou, neste domingo (16), que João de Deus retirou R$ 35 milhões de suas contas e aplicações financeiras após receber as primeiras denúncias de abuso sexual. A informação já havia sido levantada no sábado (15) por investigadores do caso.

A descoberta destas movimentações nas operações financeiras acelerou o processo de ordem de prisão preventiva de João de Deus , que ainda não se apresentou à polícia. Na tarde de sábado (15), a defesa do líder espiritual afirmou que ele se entregaria neste domingo , em Goiás.

No mesmo dia, o médium passou a ser considerado foragido Ministério Público de Goiás (MPGO) , responsável pelo caso. A decisão de considerar João de Deus como foragido foi tomada após diversas tentativas sem sucesso de encontrar o médium em algum de seus endereços. Outro motivo foi o não comparecimento de João à polícia nas 24h depois da ordem de prisão.

"João Teixeira de Faria, conhecido como João de Deus, passou a ser considerado foragido, pois as diligências de localização em todos os seus endereços resultaram negativas e o comparecimento espontâneo não ocorreu nas 24 horas seguintes à ordem de prisão", afirma a nota divulgada pelo MPGO.

O MPGO também disse que, a partir de agora, o médium poderá ser preso por qualquer policial, brasileiro ou estrangeiro. "Assim, poderá ser preso por qualquer autoridade policial brasileira ou estrangeira, com auxílio da Interpol, caso saia do país".

Relatos contra João de Deus começaram a aparecer após denúncia na TV

João de Deus vai se apresentar espontaneamente, afirmou advogado
Marcelo Camargo/ABr
João de Deus vai se apresentar espontaneamente, afirmou advogado


A prisão preventiva de João de Deus foi decretada na manhã de sexta-feira (14), após a Justiça aceitar o pedido do Ministério Público de Goiás, que já havia recebido mais de 330 denúncias de mulheres. Todas se dizem vítimas de abuso sexual por parte de João Teixeira de Faria, o João de Deus . Os relatos chegaram de pessoas de  seis países diferentes, além de 13 estados do Brasil e do Distrito Federal , e começaram depois que o programa Conversa com Bial , da  TV Globo , divulgou o relato de 10 mulheres que disseram ter sido abusadas sexualmente pelo médiuum. Esse crescimento exponencial costuma acontecer em casos como este em que as vítimas, em geral, sentem vergonha por terem sofrido o assédio, mas se sentem encorajadas a denunciar depois que outras vítimas fazem o mesmo.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.