Tamanho do texto

Novo chefe da Administração Penitenciária promete fim de "regalias" em presídios e diz que avaliará "aquilo que é possível e aquilo que é necessário fazer" com facção; carta apreendida revela novos planos de assassinatos

João Doria (PSDB) anunciou novos integrantes de sua equipe; novo secretário comentou transferência do PCC
Divulgação/Assessoria de Imprensa de João Doria
João Doria (PSDB) anunciou novos integrantes de sua equipe; novo secretário comentou transferência do PCC

O governador eleito em São Paulo, João Doria (PSDB), anunciou nesta segunda-feira (10) novos integrantes de sua futura equipe. Foram oficializados os nomes do  coronel Nivaldo Restivo, ex-comandante da Polícia Militar paulista para assumir a Secretaria da Administração Penitenciária; e do presidente municipal do PRB, Aildo Rodrigues, como novo secretário de Esportes.

Agora encubido da missão de reduzir a superlotação do sistema prisional paulista, que abriga atualmente 213 mil homens e 12 mil mulheres, o coronel Nivaldo Restivo disse que buscará alcançar esse objetivo por meio de parcerias. O novo secretário de Doria  prometeu ainda acabar com "regalias" nas prisões.

"Um dos pontos vai ser a ampliação e melhora do sistema prisional, buscando parcerias, buscando minimizar a deficiência de vagas, reduzindo a população carcerária e oferecendo direitos, não regalias", explicou.

Questionado sobre sua opinião quanto à transferência de líderes da organização criminosa PCC para presídios federais – dentre eles o número um da facção, o Marcola –, o novo secretário explicou que são necessários estudos mais aprofundados sobre a situação. "Vamos fazer o diagnóstico de tudo. Vamos buscar informações para verificar aquilo que é possível e aquilo que é necessário fazer", limitou-se a dizer.

A atenção das autoridades paulistas ao chamado Primeiro Comando da Capital voltou a crescer nos últimos meses. Nesse domingo (9), foi apreendida uma carta dentro da penitenciária 2 de Presidente Venceslau, no interior de São Paulo, revelando planos para o assassinato de autoridades.

A carta foi encontrada por policiais em vistorias de rotina e estavam sob posses de Maria Elaine de Oliveira e Alessandra Cristina Vieira, esposas de presos em Presidente Venceslau e registradas na lista de visitantes da penitenciária. O documento foi achado dentro da bolsa de Maria Elaine.

De acordo com a inteligência da Polícia Civil, no documento os bandidos diziam que os “próximos alvos” seriam o “frango” e o “japonês”, codinomes de Roberto Medina, coordenador de presídios na região oeste de São Paulo, e Lincoln Gakiya, promotor responsável por investigar a atuação da facção criminosa dentro de penitenciárias. Ambos tiveram a segurança reforçada.

Em nota, a Procuradoria-Geral de Justiça manifestou apoio ao promotor Gakiya. "Habituados a um mundo em que imperam a violência e a intimidação, esses criminosos desconhecem que tal comportamento não afastará o valoroso promotor e a nossa instituição de uma atuação pautada por um único objetivo: o cumprimento da lei. Lei que, aliás, pode e deve ser mais dura contra aqueles que lideram organizações criminosas. O povo paulista pode estar certo de que, em defesa da sociedade, o Ministério Público de São Paulo continuará trabalhando de forma destemida", diz o texto.

Leia também: Polícia descobre plano do PCC para assassinar ex-secretário da Segurança de SP

Doria ainda aguarda Meirelles

Carta encontrada com esposa de preso em Presidente Venceslau revela planos criminosos do PCC
Reprodução
Carta encontrada com esposa de preso em Presidente Venceslau revela planos criminosos do PCC

O governador eleito em São Paulo anunciará seu último secretário, o da Fazenda, nessa sexta-feira (11). A expectativa é de que o ex-ministro Henrique Meirelles seja confirmado no cargo, após uma série de cortejos públicos por parte de Doria . Caso se confirme, Meirelles seria o sexto ex-ministro de Michel Temer (MDB) no governo paulista.

Doria vem assegurando que suas nomeações atendem a critérios técnicos, e não políticos. O mantra foi repetido hoje ao justificar a escolha de Aldair Rodrigues, liderança do PRB que chegou a coordenar campanha de Celso Russomanno.

"O Ailton, durante dois anos, atuou bastante bem na secretaria municipal de Esportes. Ele tem a nossa confiança absoluta para realizar o seu trabalho, independentemente de qualquer vínculo político. Não há partilha política no nosso governo. Ele é gestor e ele é administrador", disse o governador eleito.

Após o anúncio de seu último secretário, a equipe de João Doria já tem agendada reuniões da equipe de transição na sexta-feira (14) e no fim da semana que vem, no dia 21. O novo governador e sua equipe tomam posse no dia 1º de janeiro , em evento na Assembleia Legislativa (Alesp) e no Palácio dos Bandeirantes.

    Notícias Recomendadas

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.