Prédio do Inep, órgão responsável pelo Enem
Reprodução/Inep
Prédio do Inep, órgão responsável pelo Enem


O Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) de 2021 está sendo organizado por um órgão do Ministério da Educação que passa por uma profunda crise, o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep). Os servidores estão em desacordo com o presidente da instituição, Danilo Dupas. 


Desde a semana passada, há um processo de desmonte da estrutura e saída de gestores técnicos de seus cargos. Nesta segunda-feira (8/11), vários coordenadores pediram exoneração de seus cargos comissionados.

Na última quinta-feira (4/11), grande parte dos servidores do Inep deixou o trabalho para participar de um ato de  protesto contra Dupas, acusado por eles de assédio moral e incompetência.

“O Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), o Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes (Enade), o Sistema de Avaliação da Educação Básica (Saeb) e os Censos da Educação Básica e da Educação Superior estão em risco, em razão das decisões estratégicas que estão sendo adotadas no âmbito da Presidência do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep)”, diz comunicado divulgado pelos representantes dos servidores.

Na sexta (5/11), o coordenador-geral de exames para certificação do Inep, Eduardo Carvalho, e o coordenador-geral de logística da aplicação, Hélio Junio Rocha Morais, pediram exoneração de seus cargos . Mais gestores planejavam seguir o exemplo, transformando a demissão coletiva em mais um ato de protesto. E nesta segunda, vieram os pedidos de demissão em massa. 


Já assinaram pedido de exoneração de seus cargos os servidores Marcela Guimarães Côrtes, coordenador-geral;Natalia Fernandes Camargo, coordenadora-geral substituta; Nathalia Bueno Póvoa, coordenadora-geral-substituta; Vanderlei dos Reis Silva, coordenador; Gizane Pereira da Silva, coordenadora-substituta; Hélida Maria Alves Campos Feitosa, servidora pública federal; Samuel Silva Souza, servidor público federal; Camilla Leite Carnevale Freire, servidora pública federal; Douglas Estevão Morais de Souza, coordenador-substituto; Patricia da Silva Onório Pereira, coordenadora; Denys Cristiano de Oliveira Machado, coordenador; Alani Coelho de Souza Miguel, coordenadora-substituta; Leonardo Ferreira da Silva, coordenador-substituto; Francisco Edilson de Carvalho Silva, coordenador-geral; Silvana Maria Lacerda Gonçalves, servidora pública federal; Andréia Santos Gonçalves, coordenadora-geral; Victor Rezende Teles, substituto; Helciclever Barros da Silva Sales, coordenador; Helio Pereira Feitosa, coordenador; Saulo Teixeira dos Santos, servidor público federal; Edivan Moreira Aredes, coordenador-substituto; Rita Laís Carvalho Sena Santos, coordenadora; Danusa Fernandes Rufino Gomes, coordenadora-substituta; Claudia Maria Ribeiro Gonçalves Barbosa Marques, servidora pública federal; Rosária Duarte Melo, servidor público federal; Elysio Soares Santos Junior, coordenador-geral-substituto; Karla Christina Ferreira Costa, servidor público federal; Adelino Nunes de Lima, coordenador-geral substituto; Clediston Rodrigues Freire, servidor público federal; Clara Machado da Silva, servidora pública federal; André Augusto Fernandes Pedro, coordenador-substituto; Taíse Pereira Liocádio, servidor público federal; Gustavo Caetano Oliveira de Faria Almeida, servidor público federal; João Galvão Bacchetto, servidor público federal e José Roberto de Souza Santos, Servidor Público Federal.

O documento assinado cita como justificativa “a situação sistêmica do órgão e a fragilidade técnica e administrativa do Inep”. O texto expõe ainda que “não se trata de posição ideológica ou de cunho sindical” e que os servidores reafirmam “o compromisso com a sociedade de manter o empenho com as atividades técnicas relacionadas às metas institucionais estabelecidas em 2021”.


Entenda o caso

O estopim que motivou a mobilização dos servidores do Inep contra a presidência do órgão foram duas portarias publicadas no Diário Oficial da União. A primeira, dispensa o presidente da autarquia de participar de tomadas de decisões. E a segunda, minuta número 0797841, absolve ele de integrar a Equipe de Tratamento de Riscos e Incidentes (Etir) de Brasília.


O Etir de Brasília é o colegiado responsável pela resolução de problemas no momento em que ocorrem as avaliações coordenadas pelo órgão.

Leia Também

Leia Também

Segundo os servidores, os textos das portarias 371, de 19 de agosto, e 452, de 3 de setembro, estão sendo usados por Danilo Dupas para delegar ao chefe de gabinete algumas atribuições do comando do órgão. Além disso, a minuta o desobriga de bater o martelo na hora de resolver problemas do Enem e do Enade.

Para os funcionários, Dupas, que veio da iniciativa privada, não sabe lidar com as responsabilidades de um gestor público.

A atitude do presidente está sendo interpretada ainda como fragilidade no cargo e indicativo de que ele não quer comprometer-se com as provas, pois sabe que está prestes a deixar o comando do órgão.

Dupas Ribeiro é o quinto presidente do Inep em três anos de governo do presidente Jair Bolsonaro. Nesse período, houve uma debandada de servidores em cargos de direção.



Os servidores destacam para o esvaziamento e desmonte do órgão. Em abril deste ano, ex-ministros da Educação e ex-presidentes do órgão denunciaram “apagão educacional” e criticaram o troca-troca no comando do Inep.


Inseguranças para o Enem

Presidente da Frente Parlamentar Mista da Educação, o deputado federal Professor Israel Batista (PV) afirma que o desmonte no Inep traz insegurança em relação ao Enem, que tem 3,1 milhões de inscritos em todo o país. “É uma prova complexa, exige muita dedicação e a presidência do Inep não tem se dedicado de maneira adequada, aparentemente. Tanto que há esse protesto dos servidores, insatisfeitos com a gestão. Então, pode haver problemas de ordem logística, por exemplo, e pode não dar tempo de resolver. Nos traz bastante preocupação, pois pode haver um colapso na véspera da prova”, afirma o parlamentar.


A direção do órgão ainda não se posicionou.

Nota em atualização.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários