Vereador entrará com notícia-crime contra Eduardo Paes

Motivo é a compra de um terreno na zona oeste que pertencia à empresas que fizeram doações para a campanha do prefeito em 2008

iG Rio de Janeiro |

O vereador do Rio de Janeiro Eliomar Coelho (PSOL) afirmou nesta quinta-feira (6) que entrará amanhã (7) no Ministério Público Estadual com uma notícia crime pedindo a improbidade administrativa do prefeito Eduardo Paes.

Segundo Eliomar, o motivo é uma reportagem publicada hoje pelo jornal "O Estado de S.Paulo" que informa que a Prefeitura pagou R$ 19,9 milhões para comprar o terreno de uma empresa de propriedade de dois doadores da campanha de Paes em 2008.

O imóvel será usado para o reassentamento da favela Vila Autódromo, na zona oeste, que dará lugar a instalações para os Jogos Olímpicos de 2016.

O vereador suspeita que o terreno tenha um valor menor do que foi comprado pela Prefeitura. Segundo nota enviada por sua assessoria, a compra dispensou licitação e teve o valor corrigido por quatro vezes no Diário Oficial.

De acordo com a reportagem, o imóvel pertencia às empresas Tibouchina Empreendimentos, de propriedade da Rossi Residencial, e à PDG Realty. As duas fizeram doações à Paes e ao seu chefe de gabinete, vereador licenciado Luiz Antônio Guaraná. Segundo o jornal, os dois receberam R$ 260 mil reais da Rossi e R$ 45 mil da PDG.

Segundo a assessoria de Eliomar, Paes e Guaraná foram os únicos beneficiados pelas empresas no Rio de Janeiro.

A Prefeitura, a Rossi e a PDG negaram qualquer irregularidade e informaram que o terreno foi negociado abaixo do preço de mercado.

Em nota emitida pela assessoria de imprensa da prefeitura, Paes e Guaraná negam favorecimento a seus doadores de campanha. Ambos argumentam que a escolha do terreno se baseou em critérios técnicos

Negócios valorizados

Além da venda do imóvel, a Rossi e a PDG vão se beneficiar com a remoção da favela. Três empreendimentos das empresas (dois da Rossi e um da PDG) são vizinhos à Vila Autódromo e deverão se valorizar após a remoção dos barracos.

O empreendimento da PDG, já construído, fica a 1,5 quilômetro da favela, e tem apartamentos de até três quartos com preços a partir de R$ 300 mil. Outro condomínio, a 900 metros, será entregue em 2013.

Com informações da Agência Estado

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG