Único foragido é o ex-diretor do BB Pizzolato, que fugiu para a Itália. Os demais se entregaram espontaneamente

Dos 12 mandados de prisão expedidos pelo Supremo Tribunal Federal (STF), 11 foram cumpridos . O único dos condenados que não se entregou à Polícia Federal foi o ex-diretor do Banco do Brasil Henrique Pizzolato, que é considerado foragido e passou a ser procurado pela Interpol. A informação é que ele deixou o País clandestinamente por terra há 45 dias pelo Paraguai.

Conheça a nova home do Último Segundo

Prisão de condenados no mensalão repercute na imprensa internacional

Veja as penas e o regime a que os 12 réus do mensalão têm direito

- Regime fechado:

1. Henrique Pizzolato , ex-diretor de marketing do Banco do Brasil

Veja carta de sentença

Condenado a 12 anos e 7 meses e multa de R$ 1,3 milhão por corrupção passiva, lavagem de dinheiro e peculato. Ele está foragido

2. Marcos Valério , operador do mensalão

Veja carta de sentença

Condenado a 40 anos, 4 meses e 6 dias e multa de R$ 3 milhões por corrupção ativa, peculato, lavagem de dinheiro, evasão de divisas e formação de quadrilha. Apresentou embargos infringentes no crime de quadrilha. Excluído esse crime, a pena diminui para 37 anos e 5 meses e 6 dias (continua regime fechado).

3. Cristiano Paz , ex-sócio de Marcos Valério

Veja carta de sentença

Condenado a 25 anos, 11 meses e 20 dias (regime fechado) e multa de R$ 2,5 milhões por corrupção ativa, peculato, lavagem de dinheiro e formação de quadrilha. Apresentou embargos infringentes para alguns crimes, mas pena continua o suficiente para manter o regime fechado.

4. Kátia Rabello , ex-presidente do Banco Rural

Veja carta de sentença

Condenada a 16 anos e 8 meses e multa de R$ 1,5 milhão por lavagem de dinheiro, gestão fraudulenta, evasão de divisas e formação de quadrilha. Apresentou embargos infringentes no crime de quadrilha. Excluído esse crime, a pena diminui para 14 anos e 5 meses (continua regime fechado).

5. José Roberto Salgado , ex-executivo do Banco Rural

Veja carta de sentença

Condenado a 16 anos e 8 meses e multa (regime fechado) de R$ 1 milhão por lavagem de dinheiro, gestão fraudulenta, evasão de divisas e formação de quadrilha. Apresentou embargos infringentes em todos os crimes.

6. Ramon Hollerbach , ex-sócio de Marcos Valério

Condenado a 29 anos, 7 meses e 20 dias (regime fechado) e multa de R$ 2,79 milhões por corrupção ativa, peculato, lavagem de dinheiro, evasão de divisas e formação de quadrilha. Apresentou embargos infringentes em todos os crimes.

- Regime fechado, mas que inicialmente será semiaberto

7. José Dirceu , ex-ministro da Casa Civil

Veja carta de sentença

Condenado a 10 anos e 10 meses e multa de R$ 676 mil por corrupção ativa e formação de quadrilha. Apresentou embargos infringentes no crime de quadrilha. Excluído esse crime, a pena diminui para 7 anos e 11 meses.

8. Delúbio Soares , ex-tesoureiro do PT

Veja carta de sentença

Condenado a 8 anos e 11 meses e multa de R$ 325 mil por corrupção ativa e formação de quadrilha. Apresentou embargos infringentes no crime de quadrilha. Excluído esse crime, a pena diminui para 6 anos e 8 meses.

9. Simone Vasconcelos , ex-funcionária de Valério

Veja carta de sentença

Condenada a 12 anos, 7 meses e 20 dias e multa de R$ 263,9 mil por corrupção ativa, lavagem de dinheiro e evasão de divisas. Também foi condenada por formação de quadrilha, mas a pena prescreveu. Apresentou embargos infringentes em lavagem e evasão. Excluídos esses crimes, a pena diminui para 4 anos e 2 meses.

- Regime semiaberto:

10. Romeu Queiroz , ex-deputado (PTB)

Veja carta de sentença

Condenado a 6 anos e 6 meses e multa de R$ 828 mil por corrupção passiva e lavagem de dinheiro.

11. Jacinto Lamas , ex-tesoureiro do PL (atual PR)

Veja carta de sentença

Condenado a 5 anos e multa de R$ 260 mil por lavagem de dinheiro. A pena por corrupção passiva prescreveu.

12. José Genoino , ex-presidente do PT

Veja carta de sentença

Condenado a 6 anos e 11 meses e multa de R$ 468 mil por corrupção ativa e formação de quadrilha. Apresentou embargos infringentes no crime de quadrilha. Excluído esse crime, a pena diminui para 4 anos e 8 meses, mas continua no semiaberto.


    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.