Suplente de Blairo Maggi no Senado contrata namorada de ex-diretor do Dnit

Primeiro ato do recém-empossado Cidinho Santos (PR-MT) foi indicar ex-assessora e atual companheira de Luiz Antonio Pagot

Nivaldo Souza - iG Brasília | - Atualizada às

O senador Cidinho Santos (PR-MT), suplente de Blairo Maggi – afastado do Senado até o final do ano para cuidar de suas empresas - , assinou como primeiro ato no Congresso a indicação de Mariana Borela Prates como assessora parlamentar na segunda secretaria da Casa, ocupada pelo Partido da República (PR).

Mariana é a atual namorada de Luiz Antônio Pagot, ex-diretor do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit), responsável por administrar a maior parte do orçamento do Ministério dos Transportes – o órgão federal toca R$ 15,4 bilhões dos R$ 17,1 bilhões previstos para a pasta em 2012. “Estamos construindo uma relação”, disse Pagot ao iG .

Saiba mais: Leia o especial do iG sobre a CPI do Cachoeira

Leia também: Pagot admite ter pedido doações de empresas à campanha de Dilma

Afastado do Dnit após uma série de denúncias de favorecimento ao grupo comandado pelo bicheiro Carlinhos Cachoeira, Pagot disse que não indicou a namorada para o cargo. “Já fui muito perseguido e não tenho nada com isso”, acrescentou.

O senador Cidinho afirmou que não conhece a ligação de sua nova assessora com o ex-diretor do Dnit. Teria pesado na decisão, segundo ele, o fato de a mãe de Mariana, Regina Borela, ter sido assessora da ex-senadora Serys Slhessarenko (PT-MT). “A mãe dela trabalhou no Senado e me mandou o currículo”, afirma.

Mariana foi formalizada como assessora parlamentar (AP04, nomenclatura do cargo) com rendimento mensal de R$ 6.405,85, entre salário e gratificações pela função. A nomeação foi publicada Diário Oficial da União de 21 de setembro para o “quadro de pessoal do Senado Federal, com lotação e exercício na Segunda Secretaria”.

Agência Senado
Ex-diretor geral do Dnit, Luiz Antônio Pagot se envolveu em denúncias do caso Cachoeira

Ela teria passado pelo gabinete do senador João Ribeiro (PR-TO) antes da indicação de Cidinho. Ribeiro é o segundo secretário do Senado. A assessoria do senador nega que teria empregado Mariana por alguns dias em seu gabite. A assessora foi formalizada na secretaria no dia 26 de setembro, quando foi listada oficialmente na relação de cargos comissionados emitida pela Secretaria de Recursos Humanos do Senado.

Como passagem pelo Dnit, onde ocupou o cargo de assistente na diretoria de pesquisa e planejamento, Mariana foi alçada ao posto de coordenadora de Comunicação do Departamento de Infraestrutura em 3 de março de 2010, conforme registro no Diário Oficial da União . Procurada pela reportagem do iG , a assessora não quis se pronunciar.

Relações com o PR

Homem de confiança do ex-governador do Mato Grosso e agora senador licenciado Blairo Maggi, Pagot ainda integra o quadro técnico do PR. Economista e oficial reformado da Marinha, o ex-diretor do Dnit administrou a hidrovia Madeira-Amazonas – controlada pela Hermasa Navegação da Amazônia S.A., do grupo Maggi. Ele dirigiu o braço logístico da família Maggi entre 1995 e 2002.

O bom desempenho à frente da Hermasa o levou à Secretaria de Infraestrutura do Mato Grosso na gestão do então governador Blairo, em 2003. Pagot passou ainda pelas pastas estaduais da Casa Civil e Educação até 2007.

A recondução do presidente do PR, senador Alfredo Nascimento (PR-AM), ao Ministério dos Transportes em março de 2007 – ele havia ocupado a pasta de março de 2004 a março de 2006, quando se afastou para se eleger pelo Amazonas, onde havia sido prefeito por Manaus – foi condicionada pela ida de Pagot para a direção do Dnit. A indicação pelo governador Maggi foi confirmada pela Comissão de Infraestrutura do Senado em agosto daquele ano.

Saiba mais: Pagot diz que Dnit tinha problemas com a Delta e culpa Cachoeira por saída

Os trabalhos prestados pelo economista ao PR teriam pesado na decisão de Blairo de encontrar um espaço para a namorada de Pagot no Senado, o que foi articulado por Cidinho Santos para não parecer apadrinhamento por parte do senador licenciado. Foi assim, em meio ao ‘recesso branco’ do Senado às vésperas do primeiro turno das eleições municipais, que Cidinho indicou Mariana.

A assessora estaria também auxiliando Cidinho em seu gabinete. Em um dos momentos em que o iG tentou falar com assessora no seu telefone oficial de trabalho, na terça-feira (23), outra funcionária disse que Mariana estava acompanhando o senador em agenda no Senado.

Retorno aos Transportes

O PR ensaia nos bastidores do Palácio do Planalto seu retorno de um de seus líderes ao Ministério dos Transportes, conforme apurou o iG . O ex-ministro Alfredo Nascimento foi apeado do posto no ano passado, em meio às denúncias de fraude em obras de infraestrutura que derrubaram Pagot. Em lugar dele, a presidenta Dilma Rousseff nomeou o então secretário-geral da pasta, Paulo Sérgio Passos, para o ministério.

Passos é filiado ao PR, mas não integra o núcleo de comando da legenda do deputado Valdemar Costa Neto (SP), condenado por corrupção passiva no julgamento do mensalão. A sua indicação como ministro levou o partido a se declarar ‘independente’ na Câmara e no Senado, ou seja, deixando de votar em projetos do governo.

Agora, a legenda ensaia um retorno a Transportes na reforma ministerial esperada para o início de 2013. O problema será convencer Dilma. A presidenta está contente com o desempenho de Passos na elaboração do plano de R$ 133 bilhões para concessões rodoviárias e ferroviárias apresentado em agosto. A presidenta estaria mais disposta a colocar Blairo Maggi no Mdic (Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior).

    Leia tudo sobre: blairo maggiluiz antonio pagotdnitCPI do Cachoeira

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG