Alemão é condenado por relação incestuosa com filha por 3 décadas

Juiz diz não ser possível concluir se relação sexual era consensual e dá pena de menos de três anos ao pai

BBC Brasil |

selo

AP
Adolf B., acusado de estuprar a filha por 34 anos, esconde o rosto ao chegar em tribunal de Nuremberg, na Alemanha (19/12)
Um aposentado de 69 anos acusado de obrigar a filha a manter relações sexuais com ele durante 34 anos foi condenado na segunda-feira a pouco menos de três anos de prisão na Alemanha, uma sentença que causou surpresa no país por ter sido considerada branda demais.

A promotoria de Nuremberg tinha pedido 14 anos de prisão e está analisando a possibilidade de entrar com recurso. Ela acusava o réu, identificado como Adolf B., de ter sistematicamente estuprado a filha a partir dos seus 12 anos de idade e de ter mantido cerca de 500 relações sexuais com ela.

Adolf B. teve três filhos com a filha, Renate. Dois morreram e um é portador de uma deficiência.

O réu admitiu ter mantido relações sexuais com a filha, que atualmente tem 46 anos, mas afirmou que estas foram consensuais. Ele disse ainda que a filha tinha 17 anos quando teve sua primeira relação sexual com ela.

O juiz do caso considerou que não era possível concluir que a filha foi obrigada, por meio de violência, a manter relações sexuais com o pai.

A filha chegou a afirmar que o pai a ameaçava com uma faca e que a obrigava a ter relações sexuais, o que Adolf B. sempre negou.

Segundo jornais alemães, a filha teria dado depoimentos contraditórios sobre a primeira relação sexual com o pai e testemunhas teriam dito que pai e filha pareciam se entender bem. O réu foi condenado a dois anos e oito meses de prisão por incesto e agressão física. A pena máxima por incesto na Alemanha é de três anos.

Os jornais compararam o caso ao do austríaco Josef Fritzl, que escandalizou a Áustria e o mundo em 2008, quando foi revelado. Fritzl manteve sua filha em cativeiro por 24 anos e teve sete filhos com ela.

Fritzl foi condenado à prisão perpétua em março de 2009 por incesto, estupro, escravidão e assassinato, por negligência, de uma de suas filhas geradas pelo incesto.

    Leia tudo sobre: alemanhaincestoestupro

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG