Clima extremo é o novo normal, diz secretário-geral da ONU

Ban Ki-moon afirmou em Conferência do Clima que sinais de mudança estão aparentes em todo lugar e "dos Estados Unidos à Índia, da Ucrânia ao Brasil, a seca dizimou lavouras"

Reuters |

Reuters

AP
Secretário geral da ONU, Ban Ki-moon, fala durante abertura das reuniões de alto nível no Catar

O clima extremo é o novo normal e representa uma ameaça à raça humana, disse na terça-feira o secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU), Ban Ki-moon, enquanto tentava reviver as negociações globais para combater a mudança climática, atualmente em um impasse.

A intervenção de Ban ocorre em um momento em que os esforços para aprovar uma ampliação simbólica do Protocolo de Kyoto parecem vacilar. O Protocolo de Kyoto é um tratado que obriga cerca de 35 países desenvolvidos a cortar suas emissões de gases de efeito estufa.

Em um discurso feito aos representantes de quase 200 países reunidos em Doha, Ban afirmou que o degelo do Ártico que deve atingir um nível recorde este ano , as supertempestades e a elevação do nível das marés são sinais de uma crise.

"O anormal é o novo normal", disse ele aos delegados presentes ao encontro iniciado em 26 de novembro que segue até 7 de dezembro. Ele afirmou que os sinais de mudança estão aparentes em todo lugar e "dos Estados Unidos à Índia, da Ucrânia ao Brasil , a seca dizimou lavouras essenciais no mundo".

Leia o artigo:  
COP18: um retrato do mundo

"Ninguém está imune à mudança climática --rico ou pobre. Esse é um desafio existencial para toda a raça humana, nosso modo de vida, nossos planos para o futuro", afirmou ele.

Exortando as nações a deixarem de lado a apatia e se tornarem mais ambiciosas, ele afirmara mais cedo que a supertempestade Sandy , que atingiu o Caribe e os EUA há um mês, "nos deu um chamado de alerta".

Leia mais:
Adolescentes americanos fazem manifestação na COP18 em Doha
Conferência climática de Doha entra em semana decisiva
China, Índia e Brasil emitiram mais CO2 em 2011, diz pesquisa
Acompanhe a cobertura da COP 18

O fracasso para aprovar a extensão do pacto de Kyoto tem prejudicado os esforços para estabelecer as bases de um novo acordo global, sob os auspícios da ONU, que deverá ser aprovado em 2015 para entrar em vigor a partir de 2020.

Na última tentativa feita em 2009, uma cúpula em Copenhague não conseguiu aprovar um acordo global para suceder o Protocolo de Kyoto.

Kyoto exigiu que os países cortassem suas emissões de gás-estufa em uma média de 5,2 por cento abaixo dos níveis de 1990 de 2008 a 2012.

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG