Cultura evoluiu porque seres humanos partilham conhecimento

Estudo que comparou crianças, chimpanzés e macacos capuchinhos mostra que o ser humano é o único que divide informações entre si

Alessandro Greco, especial para o iG |

Gillian Ruth Brown
Crianças manipulando a caixa de quebra-cabeças usada no estudo: só humanos compartilham informações
Uma das características humanas é a habilidade de acumular conhecimento cultural ao longo do tempo. Esta capacidade gerou realizações complexas como estudos filosóficos, satélites, aceleradores de partículas e a medicina moderna, entre outras. Uma questão para a qual não se tinha resposta era se outros primatas seriam capazes de acumular esse tipo de conhecimento. A resposta parece ser não, segundo estudo publicado nesta quinta-feira (1º) no periódico científico Science.

Leia mais sobre o comportamento de macacos:
Especialistas acreditam que babuínos são capazes de estabelecer analogias

Pesquisadores detectam em macacos comportamento similar à amizade
Macacos também experimentam incerteza, demonstram cientistas
Cérebro de macaco "sociável" é mais desenvolvido, mostra estudo
Cientistas fazem cócegas em gorilas para estudar evolução da gargalhada
A ciência do novo Planeta dos Macacos

Um grupo de pesquisadores criou uma caixa de quebra-cabeça para avaliar esta habilidade em crianças, chimpanzés e macacos capuchinhos. “Ficamos surpresos com as grandes diferenças entre crianças e os outros animais. Na literatura científica há relatos de imitação e atividades pro sociais em chimpanzés, portanto esperávamos mais deles. O Lewis Dean, estudante que fez o experimento, não presenciou sequer um desses comportamentos. Em contraste, nas crianças aconteceu centenas de vezes”, afirmou ao iG Kevin Laland, da Universidade Saint Andrews, na Escócia, um dos autores do artigo.

Leia mais sobre cultura e inteligência infantil:
Bebês entendem quando brinquedos estão quebrados

Crianças criadas com afeto têm hipocampo maior
Habilidade matemática já aparece em crianças pequenas
Violência atrapalha raciocínio de crianças
Mesmo muito nova para a escola, criança está pronta para ironia
Digitalização de livros revela “genoma” da cultura
Crianças de menos de um ano de idade já associam força a poder
Steven Pinker: humanidade está cada vez mais inteligente e menos violenta

Os pesquisadores fizeram os testes com crianças de três a quatro anos, chimpanzés e capuchinhos. Os três grupos recebiam recompensas cada vez mais interessantes conforme iam desvendando os estágios de funcionamento da caixa de quebra-cabeça. O resultado foi que as crianças eram muito mais capazes de chegar aos estágios mais avançados do que os chimpanzés e capuchinhos. “As crianças responderam à tarefa como um exercício social, ajudando umas as outras, enquanto os chimpanzés e capuchinhos pareciam estar olhando para si mesmos, comportando-se para satisfazer suas vontades, de forma majoritariamente independente”, explicou Laland. E completou: “Nosso estudo mostra que os humanos diferem de outros animais pois possuem um conjunto de habilidades sociocognitivas, incluindo ensinar, imitar, linguagem e pro socialidade, que potencialmente dão suporte à transmissão de informação com alta definição”.

O próximo passo da pesquisa será explorar a hipótese de que muito da cooperação humana tem em sua base o aprendizado social e a transmissão dele.

    Leia tudo sobre: aprendizadoprimatasmacacoscultura

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG