UE proibe venda de cosméticos com ingredientes testados em animais

Por iG São Paulo | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Medida amplia proibição anterior e determina que nenhum produto com ingredientes testados em animais poderá ser vendido na União Europeia a partir desta segunda-feira (11)

A União Europeia baniu a venda de novos cosméticos contendo ingredientes testados em animais, com efeito imediato nesta segunda-feira (11).

Os grupos de defesa dos animais comemoraram a medida, mas representantes da indústria, que movimenta cerca de R$80 bilhões, afirmou que a proibição frearia a inovação do setor.

Além disso, embora a proibição vá salvar a medida de milhares de animais como cachorros, coelhos e porcos-da-índia, os efeitos para o consumidor não serão imediatamente notados, porque os produtos que contêm ingredientes que foram testados em animais antes da medida continuarão à venda.

A Comisssão Europeia afirmou que a decisão "está alinhada com o que muitos cidadãos europeus acreditam: que o desenvolvimento de produtos cosméticos não precisa ser feito com testes em animais".

O bloco econômico proíbe testes em animais de cosméticos prontos desde 2004, mas a proibição de testes de ingredientes em animais só foi proposta há quatro anos, mas deixou brechas para alguns procedimentos, após a resistência dos fabricantes.

Leia:
Estudo questiona eficiência do uso de ratos em testes médicos
Ativistas libertam cachorros de criadouro na Itália
Falência de laboratório espanhol liberta 72 beagles usados como cobaias
Manifestantes protestam contra uso de animais em pesquisas

Os mercados americano e asiático ainda não têm medidas similares.

Gruupos como a Humane Society International celebrou a decisão, como um passo para acabar com o sofrimento animal, dizendo que a União Europeia se tornou "o maior mercado mundial de cosméticos livres de crueldade". Segundo Kathy Guillermo, vice-presidente da divisão de investigação de laboratórios da ONG Peta (sigla em inglês para Pessoas pelo Tratamento Ético de Animais), a proibição progressiva dos testes "abriu caminho para uma nova era de ciência sem animais" na Europa.

Mas representantes do setor alertam que a proibição veio cedo demais, porque ainda não existem alternativas para alguns testes específicos, sem os quais não é possível garantir a segurança de todos os ingredientes.

Mas a Comissão Europeia afirmou que deverá levar o tema com seus parceiros comerciais, como Estados Unidos e China, para promover a universalização da proibição. "A Comissão fara deste tema uma parte integral de sua agenda e cooperação internacional," disse em comunicado.

Novos cosméticos produzidos fora da Europa contendo ingredientes testados em animais ainda podem ser vendidos na Europa, desde que seus fabricantes consigam provar sua segurança à UE sem usar dados fornecidos por estes testes. E a proobição não valerá para ingredientes considerados farmacêuticos e não cosméticos, por estarem sob leis diferentes.

(Com informações da AP)

Leia tudo sobre: testesanimaiseuropa

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas