Prefeitura de São Paulo estuda viabilidade de estatizar ônibus

Por Agência Estado |

compartilhe

Tamanho do texto

Apesar de defender o sistema atual, o secretário de Transportes da cidade diz "estar aberto" para ouvir outros cenários. "Temos vários modelos que poderiam ser analisados"

Agência Estado

Imagine a cidade de São Paulo com o serviço público de ônibus estatizado. Embora soe improvável para muitos, essa proposta já chegou à mesa do secretário municipal dos Transportes, Jilmar Tatto, assim como outra, que prevê uma mescla entre o sistema atual, de concessão à iniciativa privada, e a estatização total dos coletivos.

Leia também:
Moradores de bairros da zona leste realizam manifestações em São Paulo
Câmara de SP define na terça se aprova CPI dos Transportes; veja quem apoia

Luiz Claudio Barbosa/Futura Press
Protesto contra o aumento da tarifa em São Paulo

Tatto defende o modelo em vigência, mas diz "estar aberto" para ouvir outros cenários. "Temos vários modelos que poderiam ser analisados", disse nesta segunda-feira, em seminário sobre a integração dos transportes na Universidade de São Paulo (USP).

"A cidade está no momento propício para debater tudo, todo o sistema de transporte. Eu tenho convicção de que, da maneira como está organizado em cima da lei existente, é possível melhorar o sistema (em vigor)."

Atualmente, a gestão Fernando Haddad (PT) está em processo de renovar os contratos com as empresas e cooperativas de ônibus da capital. Os acordos, que foram assinados uma década atrás, na gestão da também petista Marta Suplicy, vencem em meados do próximo mês.

O custo da nova licitação, que vale por até 15 anos, é de R$ 46,3 bilhões - o maior da história. A prefeitura já chegou a prorrogar o prazo da consulta pública desse processo, que ganhou destaque nos últimos dias com o debate em torno da qualidade do transporte público, suscitada pelos recentes protestos.

Segundo Tatto, o modelo da estatização transformaria motoristas e cobradores em funcionários públicos. "Tem um outro (cenário) em que a garagem e os funcionários ficam com os operadores (empresários)." Por sua vez, a prefeitura compraria e seria dona dos ônibus - uma frota de cerca de 15 mil veículos.

"E tem o modelo que fala da tarifa zero. Do ponto de vista de custo, você tira de imediato o cobrador e toda essa parafernália do validador, tira a catraca", explica o secretário. Nesse contexto, o custo público seria de aproximadamente R$ 4,5 bilhões para manter o sistema. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas