Fuzil usado por Nem é recolhido na Rocinha

Arma tinha a inscrição "Mestre", como era chamado o chefe da favela

Mario Hugo Monken, iG Rio de Janeiro |

Fabrizia Granatieri
Inscrição "Mestre ADA" em fuzil é alusão ao traficante Nem

O Bope (Batalhão de Operações Especiais) realiza uma série de apreensões na favela da Rocinha, na zona sul do Rio de Janeiro, após a ocupação da região para a implantação de mais uma Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) . Na tarde deste domingo (13), os PMs recolheram na localidade de Dionéia, na parte alta da comunidade, três fuzis, três pistolas, uma metralhadora Madzen, além de 5 mil munições.

Um dos fuzis tinha a inscrição "Mestre ADA", em alusão ao traficante Antônio Francisco Bonfim Lopes, o Nem, que comandava a favela e usava a arma.

Na mesma ação, foram encontrados 26 tabletes de maconha e 14 de cocaína.

Leia também: 15 fuzis e 15 mil munições são apreendidos na Rocinha e No Vidigal

Cão ajuda
Também nesta tarde, com a ajuda de um cão da raça Labrador, PMs localizaram mais 30 pacotes com cocaína enrolados em bexigas de aniversário na localidade de Laboriaux, na parte alta da Rocinha. Cada pacote continha 1,5 kg da droga.

Fabrizia Granatieri
Cão farejador auxilia o Bope na Rocinha
O cão Bento, de quatro anos, também auxiliou na descoberta de mais 70 kg de cocaína, que estavam em sacos e tabletes, na mesma localidade. Foi achada ainda uma submetralhadora Uzi 9 mm.

Já a cadela Brita, da raça pastor alemão e de cinco anos de idade, conseguiu identificar munições de diversos calibres na localidade de Portão Vermelho, na parte alta da Rocinha. A quantidade não foi revelada.

Os dois animais integram um grupo de 68 que fazem parte do Batalhão de Ações com Cães. A unidade possui cachorros de diveresas raças, entre elas pastores alemães, belgas e holandeses, além de labradores, dobermans e rotweillers.

60 pacotes com pasta base de cocaína
Na parte baixa da favela, na Cachopa, o Bope encontrou abandonados 60 pacotes com pasta-base de cocaína, com cerca de 1 kg cada, e 51 tabletes de maconha.

Além disso, os policiais anunciaram apreensão de cerca de 10 mil munições. As balas, para fuzil e metralhadora ponto 30 (arma antiaérea), foram recolhidas nas localidades de Laboriaux e Roupa Suja, na parte alta da favela, e também na Cachopa. Nessas localidades, os policiais recolheram também uma espingarda, bolsas para soro para tratamento de bandidos baleados, documentos, cartões de crédito, R$ 415 em espécie, cadernos com anotações sobre a movimentação financeira do tráfico, uma farda do Exército e 145 trouxinhas de maconha.

Os policiais ainda descobriram uma central clandestina de TV a cabo (gatonet), com uma antena e vários codificadores na Rua 1, parte alta da Rocinha.

Primeira apreensão
Pela manhã, na localidade conhecida como Laboriaux, no alto da Rocinha, foram achados 11 fuzis, carregadores e uma granada escondidos em tonéis enterrados. Policias do Bope vasculhavam a área quando perceberam a terra remexida.

O material foi apresentado no 23°BPM (Leblon). Dois dos fuzis tem um o símbolo de um 'coelho da Playboy', em referência ao traficante Anderson Rosa Mendonça, o "Coelho", chefe do morro São Carlos, na região central, que foi preso na semana passada. Essa foi a primeira apreensão desde o começo da  ocupação da Rocinha . Além dos 11 fuzis – sendo sete de modelo fal, um parafal, dois AR15 e um desmontado – e da granada, ainda foram apreendidos uma metralhadora, duas lunetas, 21 carregadores, uma escopeta.

No mesmo local, mais tarde, foram recolhidos 112 kg de maconha e cerca de 600 munições para fuzil calibre 762. O material estava enterrado. Já na localidade conhecida como Arvrão, no Vidigal, os policiais do Batalhão de Choque acharam quatro pistolas, um fuzil, uma luneta e quantidade de munições ainda não revelada. Dezesseis máquinas caça-níqueis também foram recolhidas pela manhã no morro.

Veja fotos de outras apreensões realizadas na Rocinha:

    Leia tudo sobre: rocinhavidigaloperação choque de paz

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG