Uma pessoa é assassinada a cada três horas em Minas Gerais

Após pressão da imprensa, governo divulga que houve 959 assassinatos em 3 meses de 2012; número é maior do que o registrado no mesmo período de anos anteriores

Denise Motta, iG Minas Gerais |

Depois de enfrentar pressão de veículos de comunicação para divulgar estatísticas de crimes violentos, o governo de Minas Gerais anunciou dados referentes aos homicídios e outros crimes nestes três primeiros meses. Apenas em 91 dias deste ano de 2012, entre janeiro e março, 959 pessoas foram assassinadas no Estado, o que dá uma média de mais de 10 mortes por dia ou praticamente uma morte a cada três horas.

As informações sobre o número de mortes no mesmo período do ano passado não são divulgadas pelo governo, mas sabe-se que, em 2010, foram assassinadas de janeiro a março 912 pessoas em Minas. No ano anterior foram 882 assassinatos e, em 2008, no mesmo período, 978 pessoas morreram assassinadas conforme as estatísticas do governo.

Assassinato:  Procuradora assassinada é enterrada em Minas Gerais

A Secretaria de Estado de Defesa Social informou que a metodologia utilizada neste ano é diferente das utilizadas nos anos anteriores. Mas, analisando os dados de forma quantitativa, a indicação das informações disponíveis é de que há aumento no número de assassinatos em Minas Gerais.

Na página da Secretaria de Estado de Defesa Social, onde foram disponibilizadas informações sobre homicídios e outros crimes violentos, existem estatísticas mensais dos anos de 2008, 2009, 2010 e 2012. Questionada por meio de sua assessoria de imprensa sobre o motivo de não haver dados mensais do ano passado, a secretaria ainda não se posicionou.

Em São Paulo: Homicídios caem 3% e latrocínios saltam 20% em 2011

No ano de 2008, quando o governador ainda era Aécio Neves, hoje senador pelo PSDB, Minas Gerais registrou 978 homicídios entre janeiro e março. Aécio estava em seu segundo mandato como governador e a metodologia de dados incluía informações apenas da Polícia Militar. Os homicídios só eram considerados quando consumados no momento da elaboração de um boletim de ocorrência pela Polícia Militar.

Recentemente, o atual governador, Antonio Anastasia, também do PSDB, mudou a metodologia e incluiu informações da Polícia Civil. Assim, se uma pessoa, por exemplo, é baleada e morre horas depois de a ocorrência ter sido encerrada pela PM, ela ainda entra como estatística no banco de dados do governo estadual.

Histórico dos últimos anos

Capital

Na capital mineira, em janeiro de 2008, morreram 70 pessoas assassinadas. Em fevereiro, foram 68 vítimas. Já em março, o governo contabilizou 103 assassinatos em Belo Horizonte, no ano de 2008. No total, foram 241 pessoas assassinadas na capital, entre janeiro e março de 2008.

Em 2009, foram 56 assassinatos em janeiro, 59 em fevereiro e 64 em março, totalizando 179 no período. Já em 2010, 72 pessoas morreram assassinadas em janeiro, 69 em fevereiro e 81 em março, totalizando 222 vítimas, número superior ao de 2009, mas inferior ao de 2008. Em 2012, foram 207 assassinatos no período. A média vem se mantendo em 2,3 homicídios para cada 100 mil habitantes.

Estado

Em 2008, 290 pessoas foram assassinadas em janeiro, no Estado. Outras 298 morreram da mesma forma em fevereiro e 390 no mês de março. Em 2009, foram 274 homicídios em janeiro, 304 em fevereiro e 304 em março. Já em 2010, ano em que no mês de abril Aécio deixou o governo para candidatar-se ao Senado, os números subiram no período: 292 em janeiro, 313 em fevereiro e 307 em março. Considerando-se o período de trimestre (janeiro, fevereiro e março), temos 912 assassinatos em 2010; contra 882, em 2009; e 978, em 2008.

    Leia tudo sobre: violênciahomicídiosdadosminas gerais

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG