Tropas federais cercam Assembleia Legislativa em Salvador

Local é ocupado por PMs grevistas e suas famílias desde terça-feira (1), início da paralisação da categoria; mortes chegam a 93 na capital e região

iG São Paulo |

Desde as 5h30, cerca de 600 soldados do Exército, além da Força Nacional e Polícia Federal, militares da Tropa de Choque e do grupo de operações especiais ocupam os entornos da Assembleia Legislativa da Bahia, em Salvador, nesta segunda-feira. O local é utilizado pelos grevistas e suas famílias desde terça (1) quando a PM do Estado decretou paralisação.

Governo nega: Policiais em greve recusam proposta de reajuste do governo

Além de encerrar a greve, o Exército também esperar cumprir os 11 mandados de prisão expedidos pela Justiça baiana contra os líderes do movimento, que ainda estão no pátio do local. Todos os agentes cercam a Assembleia e possuem forte armamento - metralhadoras, fuzis, pistolas e bombas de efeito moral. A tropa afastou a imprensa do local e fechou as ruas de acesso ao Centro Administrativo da Bahia (CAB).

AE
Manifestantes que apoiam os PMs em greve entram em confronto com as tropas federais

O clima é de tensão no local. Mais cedo, alguns manifestantes, que apoiam a greve e ocupação da Assembleia, entraram em confronto com os soldados do Exército. Balas de borracha foram utilizadas para conter o protesto.

A operação federal buscando o fim da greve teve as primeiras movimentações registradas ontem à noite. Por volta das 19h, o abastecimento de energia elétrica no local foi cortado. Blindados Urutu do Exército, que chegaram ontem à cidade, e helicópteros foram vistos sobrevoando o local.

Anistia e bonificações: PMs grevistas reduzem lista de reivindicações na BA

A Secretaria de Segurança Pública da Bahia (SSP-BA) registrou 93 homicídios desde o início da greve no Estado. O número de assassinatos contabilizados durante a greve da PM é mais da metade dos 172 homicídios registrados em todo mês de fevereiro de 2011.

O pedido para a desocupação do prédio da Assembleia foi feito no domingo (5) à tarde pelo presidente da Casa, deputado Marcelo Nilo, ao general G.Dias. Nilo disse que "os trabalhos legislativos precisam voltar à normalidade e que a Assembleia não pode ser usada como abrigo para foragidos da Justiça". O deputado falou ainda que o pedido partiu dele mesmo, e não do governador.

Proposta de reajuste

Ontem à noite, por volta das 21h30, os grevistas decidiram não aceitar a proposta de reajuste e manter a paralisação. "Chamem seus colegas, esta é uma noite fundamental para nossa luta", disse o líder da greve, o presidente da Associação de Policiais e Bombeiros e de seus Familiares do Estado da Bahia (Aspra), em discurso para os cerca de 300 PMs.

Veja as imagens da ação das tropas federais em Salvador:

De acordo com ele, o comando da PM do Estado teria feito uma proposta pelo fim do movimento e da ocupação. "Falei com o coronel Alfredo Castro (comandante-geral da PM) e ele propôs anistia total e irrestrita a todos os companheiros grevistas, a incorporação de duas gratificações aos salários e a revogação de todos mandados de prisão, menos o meu", disse, aos PMs que estão no local.

Em seguida, o líder continuou o discurso perguntando aos manifestantes se aceitavam a proposta. Eles negaram. Segundo o governo, porém, não foi feita nenhuma proposta aos amotinados. "A única proposta do governo é: voltem a trabalhar", rebateu o secretário de Comunicação, Robinson Almeida. "Os mandados de prisão serão cumpridos, mais cedo ou mais tarde. Isso já saiu da esfera do Estado, é uma determinação do governo federal.

*com AE

    Leia tudo sobre: bahiasalvadorgreve da pmforça nacionalpolícia federal

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG