Senadora Soraya Thronicke (MS)
Divulgação - 01/08/2022
Senadora Soraya Thronicke (MS)

A cúpula do União Brasil deve anunciar nesta terça-feira a indicação da senadora Soraya Thronicke (MS) como candidata à Presidência pelo partido. A candidatura, porém, só deve ser oficializada no dia 5 deste mês, quando o partido fará sua convenção nacional. A parlamentar substituirá o presidente da sigla, Luciano Bivar (PE), na corrida ao Planalto; o deputado retirou seu nome da disputa no último do domingo. A previsão é que escolha de Soraya será anunciada em uma entrevista coletiva no diretório de São Paulo do União Brasil, às 15h30.

Soraya e Bivar se reuniram nesta segunda-feira para discutir a indicação da senadora como candidata a presidente. Antes do encontro, o dirigente partidário havia enviado mensagens a alguns parlamentares da sigla afirmando que tinha escolhido a parlamentar como sua substituta na disputa presidencial. Ele já tinha defendido a escolha de Soraya quando anunciou sua desistência da corrida, na convenção estadual do União Brasil em Pernambuco.

Segundo fontes do partido ouvidas pelo GLOBO, já há um acordo para que Soraya seja indicada para concorrer ao Executivo federal pelo União Brasil, mas a sigla quer ainda atrair outras agremiações para uma eventual aliança. Nesse sentido, dirigentes do União Brasil procuraram a presidente do Podemos, Renata Abreu.

O Podemos por sua vez, convidou o senador Álvaro Dias (PR) para disputar a Presidência. Ao GLOBO, o parlamentar confirmou as conversas entre as siglas duas, mas afirmou que dificilmente sua legenda abriria mão de ser titular na chapa ao Planalto.

"O Podemos não aceita ser vice de ninguém. Nós temos que valorizar o nosso partido", afirmou Dias.

Como essa negociação ainda está em andamento, a Executiva do União Brasil deixou para bater o martelo sobre a candidatura de Soraya apenas na terça-feira. A tendência, porém, é que ela seja oficializada como presidenciável.

A desistência de Bivar da disputa se deu após uma negociação com o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), que queria que o União Brasil deixasse a disputa e apoiasse o petista já no primeiro turno. Apesar da retirada da candidatura do deputado federal, que concorrerá à reeleição em Pernambuco com apoio de Lula, o apoio formal do partido é visto como improvável.

Criado a partir da fusão do DEM e do PSL, o União Brasil tem 12 candidatos a governos estaduais, sendo que ao menos quatro já indicaram seu apoio à reeleição do presidente Jair Bolsonaro (PL), principal adversário de Lula — Wilson Lima, no Amazonas; Capitão Wagner, no Ceará; Mauro Mendes, no Mato Grosso, e Marcos Rocha, em Rondônia.

Além disso, há também candidatos que quererem evitar a polarização nacional na disputa nos estados. É o caso do ex-prefeito de Salvador ACM Neto, na Bahia, e do governador de Goiás, Ronaldo Caiado, que tenta a reeleição.

Diante desse cenário, a escolha de Soraya para a disputa foi vista como uma opção de candidatura simbólica, que pode não ser competitiva — isto é, não atrairá mais votos do que Bivar, que não pontuou na última pesquisa Datafolha —, mas que não causará problemas nos estados.

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo.  Siga também o  perfil geral do Portal iG.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários