União Brasil busca aliança com PSDB em torno da candidatura de Bivar
MARCELO CAMARGO/AGÊNCIA BRASIL
União Brasil busca aliança com PSDB em torno da candidatura de Bivar

Em meio ao impasse nas negociações entre MDB e PSDB para destravar a aliança em torno da pré-candidatura à Presidência da senadora Simone Tebet (MDB-MS), o  União Brasil iniciou uma investida em direção aos tucanos.

Um encontro nesta tarde entre o presidente do PSDB, Bruno Araújo, e o postulante do União Brasil ao Planalto, deputado Luciano Bivar (PE), foi marcado com o objetivo de debater os cenários estaduais e um possível acordo nacional.

O União Brasil, dono da maior parcela dos fundos partidário e eleitoral, chegou a participar das conversas com PSDB, MDB e Cidadania em busca de um nome de consenso para liderar a terceira via na corrida presidencial. A sigla de Bivar, no entanto, deixou as negociações posteriormente e lançou o nome do deputado.

Agora, com a tentativa de acordo entre MDB e PSDB andando a passos lentos – os tucanos insistem que os emedebistas abram mão de lançar o deputado estadual Gabriel Souza no Rio Grande do Sul para apoiar um tucano –, o União Brasil busca retomar os laços. Uma conversa inicial já ocorreu na semana passada, em Belo Horizonte, em uma prévia do que será debatido nesta tarde.

“Analisamos a possibilidade de aliança em Minas Gerais e mapeamos os interesses em todas as unidades da Federação. Cabe, dentro do diálogo, de mapear convergências e identificar sinergias. O União Brasil é um dos maiores partidos brasileiros, tem um potencial grande, e cabe à direção do PSDB ouvir as propostas. É isso que nós faremos”, afirma o deputado federal Marcus Pestana (MG), pré-candidato do PSDB ao governo de Minas Gerais.

Esta quarta-feira é também um dia decisivo para a pretensão do MDB de receber o apoio do PSDB nacionalmente. Os tucanos ainda aguardam um gesto para embarcarem na chapa de Tebet.

Na noite de terça-feira, o ex-governador Eduardo Leite se reuniu com a cúpula do MDB gaúcho, mas, depois do encontro, disse que a conversa acabou sem avanço.

A direção do PSDB condiciona a coligação ao apoio do MDB a uma candidatura tucana no Rio Grande do Sul. Para isso, o partido precisaria abrir mão da pré-candidatura de Gabriel Souza, já lançada. Ele sinaliza que só desistiria de concorrer se fosse enquadrado pelos líderes da sigla no estado — que até agora não esboçaram qualquer movimento.

Para viabilizar a chapa de centro, os tucanos também gostariam de reciprocidade do MDB no Mato Grosso do Sul e em Pernambuco, mas já admitem que os aliados não deram sinal verde para esses pedidos.

Aliados de Leite afirmam que a sua eventual candidatura ao governo do Rio Grande do Sul está mais próxima, por mais que contrarie uma promessa de campanha de não concorrer a um segundo mandato — naquele estado, aliás, um governador nunca conseguiu esse feito. 


Apesar disso, Leite estaria animado com pesquisas internas que mostram chances de ele quebrar essa tradição, avaliam pessoas próximas.

O combinado entre as siglas para resolver o impasse na disputa ao governo gaúcho é que as alianças regionais sejam resolvidas até hoje. 

Na hipótese de o MDB ceder aos tucanos pelo menos no Rio Grande do Sul, a executiva do PSDB referenda o nome de Tebet como cabeça de chapa no dia seguinte. Essa é a tendência majoritária no PSDB, embora haja uma ala resistente que prefere uma candidatura própria.

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo.  Siga também o  perfil geral do Portal iG.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários