Haddad em participação no programa Roda Viva
Reprodução
Haddad em participação no programa Roda Viva

Pré-candidato ao governo de São Paulo, o ex-prefeito Fernando Haddad (PT) disse nesta segunda-feira, em entrevista ao programa Roda Viva, da TV Cultura, que a adesão do PSDB ao bolsonarismo "comprometeu demais" o partido.

O ex-ministro da Educação dos governos de Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e Dilma Rousseff (PT) também minimizou atritos com as gestões tucanas passadas e afirmou que a "inflexão antipopular" do ex-governador João Doria (PSDB) custou "caro" ao partido. Questionado se concordava com a frase dita por Lula na semana passada, de que o "PSDB acabou", Haddad preferiu não responder.

"Leite e Doria fizeram campanha para o Bolsonaro. Acho que isso comprometeu o PSDB. O PSDB já vinha de um momento difícil, que foi em 2014, com a postura nada republicana do Aécio (Neves) frente à derrota (para Dilma Rousseff). E de 2014 para frente, as coisas só pioraram. Em 2018, a adesão ao bolsonarismo, na minha opinião, comprometeu demais o PSDB", afirmou Haddad.

O ex-prefeito da capital paulista, apontado como um dos articuladores da chapa Lula-Alckmin, minimizou os conflitos com os tucanos no passado, dizendo que, quando ministro da Educação, sempre manteve interlocução com os parlamentares do PSDB.

Na prefeitura de São Paulo, embora tenha dito que conseguiu construir "muitas coisas" junto com Geraldo Alckmin (PSB), então governador tucano, Haddad declarou que sempre achou que o "PSDB faltou com o PT no governo do estado".

Ex-BBB, fisiculturista e outros famosos: partidos apostam em influenciadores para puxar votos

"Tinha uma maioria tão folgada que se permitia não negociar com a oposição", afirmou ele.

O ex-ministro disse, porém, que é preciso "distinguir o que aconteceu no passado com o PSDB "do que o que ocorreu com Doria":

Pré-campanha acelera: como Lula, Bolsonaro, Ciro e Tebet já correm atrás de votos

"Doria fez uma inflexão antipopular que eu acho que custou caro ao PSDB a ponto de ele, que era naturalmente candidato a presidente da República, por governar o maior estado da federação, se inviabilizar completamente à luz do governo que manteve em São Paulo", disse Haddad, acrescentando que Doria se indispôs com empresários, trabalhadores da iniciativa privada e servidores públicos.

Haddad, que tenta atrair PSOL e Rede para sua candidatura ao governo de São Paulo, elogiou a ex-ministra Marina Silva (Rede), dizendo que a vê como uma "personalidade necessária no Brasil".

Perguntado sobre ter a ex-senadora como vice em sua chapa, ideia que passou a ser ventilada em seu entorno, Haddad afirmou que a decisão sobre quem ocupará o cargo ficará para um segundo momento, após acerto do PT com as legendas aliadas em outros estados.

"Marina vai viver um momento cuja importância vai ser muito elevada, porque o Bolsonaro efetivamente destruiu a imagem do Brasil no exterior em relação à pauta ambiental", afirmou o ex-prefeito.

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo.  Siga também o  perfil geral do Portal iG.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários