Área atingida por ataque russo na cidade de Odessa
Reprodução/Twitter
Área atingida por ataque russo na cidade de Odessa

Diversas regiões da Ucrânia estão sendo alvos de ataques russos na tarde desta quarta-feira (4), segundo relatos divulgados pela imprensa ucraniana.

Em Kiev, capital ucraniana,  fortes explosões foram registradas após o sistema de defesa aérea da capital interceptar mísseis russos, informou o site Ukraina 24.

Paralelamente, o prefeito de Dnipro, Borys Filatov, anunciou que o centro de sua cidade também foi atingido por mísseis russos.

Em comunicado, ele disse que, "à noite, fortes explosões foram sentidas em outras áreas centrais da Ucrânia, como Cerkasy e Zaporizhzhia". A informação foi relatada pelo portal Unian.

Os bombardeios afetaram a zona do Dnieper e atingiram a infraestrutura ferroviária, mas não há registro de feridos entre os trabalhadores. Ataques russos também estão em andamento na cidade de Odessa.

Além disso, a procuradora-geral ucraniana, Iryna Venediktova, divulgou que 10 civis morreram e 20 ficaram feridos depois que um ataque militar russo atingiu um depósito de ônibus na cidade de Avdiivka, na região de Donetsk.

As autoridades ucranianas divulgaram fotos mostrando as consequências do ataque ao depósito de ônibus, alegando que os trabalhadores da fábrica estavam esperando para embarcar em um veículo quando o bombardeio aconteceu.

"Os russos sabiam exatamente para onde estavam mirando", ressaltou o governador de Donetsk, Pavlo Kyrylenko.

Mais cedo, o Ministério da Defesa da Rússia disse que atacou seis estações ferroviárias na Ucrânia usadas para fornecer armas às forças ucranianas no leste do país.

Segundo Moscou, os bombardeios atingiram as fontes de energia das estações, usando armas aéreas e marítimas de alta precisão.

Além das estações, tropas russas atacaram 40 alvos militares ucranianos, incluindo quatro depósitos de munição e armas de artilharia, conforme o ministério. 

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo.


    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários