Eduardo Leite na filiação de Ana Amélia ao PSD
Reprodução
Eduardo Leite na filiação de Ana Amélia ao PSD

Em ato do PSD no Rio Grande do Sul, o governador Eduardo Leite (PSDB) recebeu apoio de aliados nesta quarta-feira para ser candidato a presidente da República. Leite tem um convite da sigla para voltar à corrida presidencial após a derrota das prévias tucanas .

Ao lado do presidente nacional do PSD, Gilberto Kassab, Leite acompanhou a filiação à legenda da ex-senadora Ana Amélia Lemos num hotel da capital gaúcha. No evento, o governador foi apresentado como o único nome capaz de quebrar a polarização nacional representada pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e pelo presidente Jair Bolsonaro . No entanto, até agora Leite não se destaca dos demais nomes da terceira via nas pesquisas de intenção de voto.

Ana Amélia, que deve voltar a concorrer ao Senado, é secretária extraordinária de Relações Federativas e Internacionais do governo Leite. Ao discursar, a ex-candidata à vice da chapa de Geraldo Alckmin em 2018 foi uma das vozes incentivadoras do gaúcho e fez um apelo para que ele seja candidato e não ouça as críticas:

"A sua decisão é pessoal, complexa e difícil. Quanto mais alto tivermos, maiores são as críticas. Mas todas as críticas são irrelevantes. O que conta nesse processo é a sua coragem e o interesse maior, que é o interesse do país", disse Ana Amélia, que foi senadora durante oito anos e deixou de concorrer à reeleição para ser vice de Geraldo Alckmin em 2018.

Leite também recebeu apoio de outros quadros do PSD a exemplo do prefeito de Canoas, Jairo Jorge, e do deputado federal, Antonio Brito, entre outros.

Em seu discurso, o governador não falou de candidatura, mas fez acenos ao PSD e descreveu o partido como um "parceiro" na política gaúcha, já que a legenda está em sua base de apoio.

Leia Também

Ana Amélia é a segunda integrante do governo do gaúcho a ingressar na sigla de Kassab em menos de um mês. No último dia 24, o secretário Agostinho Meirelles se filiou. Vários aliados do governador, aliás, admitem a possibilidade de o seguirem , se ele for para PSD. É o caso do vice-governador Ranolfo Vieira Júnior, do deputado federal Daniel Trzeciak (PSDB) e dos prefeitos de Pelotas, Paula Mascarenhas, e de Santa Maria, Jorge Pozzobom.

'Torcida enorme'

Kassab afirmou que existe "uma torcida enorme" pela definição do governador gaúcho sobre o convite para se candidatar à Presidência, segundo o g1.

"No momento certo ele irá se manifestar. Posso dizer que existe uma torcida enorme dentro e fora do PSD. Ele é uma enorme esperança pra milhões de brasileiros que não estão contentes com a atual administração mas também não querem voltar ao passado", disse Kassab, salientando que Leite "saberá no momento certo dar sua definição".

A declaração de Kassab ocorre em meio a uma resistência dentro do partido para ter um candidato próprio. Heterogênea e pouco ideológica, a sigla com a qual o gaúcho flerta tem em seus quadros entusiastas declarados da candidatura do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), assim como aliados do presidente Jair Bolsonaro e até integrantes do primeiro e segundo escalões do governo de João Doria, em São Paulo, como o secretário de Fazenda, Henrique Meirelles, e secretário-executivo da PM, Coronel Alvaro Batista.

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo.


    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários