Aliado de Bolsonaro atesta rachadinha nos gabinetes dele e dos filhos
Reprodução
Aliado de Bolsonaro atesta rachadinha nos gabinetes dele e dos filhos

Amigo de  Jair Bolsonaro, a quem assessorou na campanha presidencial de 2018, Waldir Ferraz afirmou à revista Veja que a  advogada Ana Cristina Valle, ex-mulher do presidente, comandou um esquema de rachadinha que incluía os gabinetes do ex-marido, então deputado federal, do  senador Flávio Bolsonaro (à época, deputado estadual) e do vereador Carlos Bolsonaro.

Conselheiro e próximo ao presidente desde a época do Exército, Ferraz disse ainda que Ana Cristina chantageia Bolsonaro, com pedidos de dinheiro, em troca de seu silêncio.

À revista, o ex-assessor afirmou que o presidente não tinha conhecimento do esquema enquanto estava em prática e só tomou conhecimento do assunto em 2018, quando as primeiras reportagens foram veiculadas na imprensa.

"Ela fez nos três gabinetes. Em Brasília (na Câmara dos Deputados), aqui no Flávio (na Assembleia Legislativa do Rio) e no Carlos. O Bolsonaro deixou tudo na mão dela para ela resolver. Ela fez a festa. É isso. Ela que fazia, mas quem é que assinava? Quem assinava era ele. Ele vai dizer que não sabe? É batom na cueca. Como é que você vai explicar? Ele está administrando. Não tem muito o que fazer", contou.

De acordo com o ex-assessor, o papel de Ana Cristina no esquema de recolhimento de parte dos salários dos funcionários dos gabinetes, prática enquadrada como peculato, era de contratar pessoas dispostas a devolver parte do dinheiro recebido. Ela recolhia documentos de algumas pessoas, abria contas bancárias em nome delas e retirava parte dos salários.

"Ela é muito perigosa. É uma mulher que quer dinheiro a todo custo. Às vezes, ela vai ao cercadinho, frequenta o cercadinho. É uma forma de chantagem. A gente nem toca nesse assunto pra não deixar o cara (Bolsonaro) de cabeça quente", diz Waldir.

Ele ressaltou que Bolsonaro e os filhos não sabiam dos esquemas montados pela ex-mulher.

"Ele, quando soube, ficou desesperado, era uma fria. O cara foi traído. Ela começou tudo. Bolsonaro nunca esteve ligado em nada dessas coisas. O cara tinha visão do que estava acontecendo por trás no gabinete. Às vezes o chefe de gabinete faz merda, o próprio deputado não sabe. Mesmo o deputado vagabundo não sabe, só vem a saber depois."

Segundo o ex-assessor, Ana Cristina exige dinheiro e outras vantagens para não contar o que sabe. De acordo com ele, ela teria ido algumas vezes ao cercadinho do Palácio da Alvorada para ser vista por Bolsonaro, como uma forma de pressioná-lo.

À Veja, Ana Cristina negou que tenha comandado esquemas de rachadinha, que chantageie Bolsonaro e disse que as acusações partem de inimigos que que querem atingir Flávio e Carlos.

"Se eu tiver que falar com o presidente, acha que eu vou para o cercadinho para todo mundo ficar vendo, para jornalista ficar vendo? Sou discreta", afirmou.

Leia Também

Procurado pelo Globo, Ferraz, em um primeiro momento, negou que tenha feito as acusações:

"Não, eu não falei nada disso. Não falei isso, negativo. Como é que eu ia falar um negócio desse?"

Pouco tempo depois, em uma segunda ligação, ele admitiu ter falado sobre “esses assuntos” com a revista:

"O que eu disse para ela (repórter) é o que todo mundo sabe. É o que está nos jornais. Mas eu não participei nem tenho conhecimento de nada."

Indícios de peculato

Waldir não é o primeiro envolvido nos gabinetes da família Bolsonaro a admitir a existência do esquema. A ex-cunhada do presidente, a fisiculturista Andrea Siqueira Valle, disse que o mandatário demitiu seu irmão, André Siqueira Valle, porque ele se recusou a entregar a maior parte de seu salário a Bolsonaro, que na época era deputado federal.

Áudios de Andrea obtidos pelo site UOL mostram que a fisiculturista diz ainda que Fabrício Queiroz, ex-assessor de Flávio Bolsonaro e denunciado pelo Ministério Público no esquema de “rachadinha” no gabinete do então deputado estadual na Assembleia Legislativa do Rio (Alerj), não foi o único a recolher os salários dos funcionários do atual senador.

Ela aponta que a maior parte do salário que recebia do gabinete do filho mais velho do presidente era recolhida pelo coronel da reserva do Exército Guilherme dos Santos Hudson.


Outra ex-assessora de Flávio, Luiz Sousa Paesa admitiu, em depoimento ao MP-RJ, que nunca atuou como funcionária do filho do presidente Jair Bolsonaro e também era obrigada a devolver mais de 90% do salário.

Luiza relatou ainda que conheceu outras pessoas que viviam situação semelhante a dela: nomeadas sem trabalhar. Citou as duas filhas mais velhas de Fabrício Queiroz, Nathália e Evelyn, e Sheila Vasconcellos, amiga da família do policial.

Os dados financeiros das três, obtidos na investigação, já identificavam que elas tinham devolvido para Queiroz R$ 878,4 mil.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários