Mourão não comenta decisão de ministro Barroso:
Reprodução: iG Minas Gerais
Mourão não comenta decisão de ministro Barroso: "Só gera conflito"

vice-presidente Hamilton Mourão (PRTB) evitou nesta segunda-feira (13) criticar a decisão do  ministro Luís Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal (STF), de determinar a implementação do passaporte de vacina como exigência para entrar no Brasil. Mourão disse que "decisão judicial não se comenta" e que discutir se houve interferência de Barroso na questão "só gera atrito".

"Decisão judicial não se comenta, né? Se cumpre", disse Mourão, ao chegar no Palácio do Planalto.

No sábado, Barroso determinou que o governo exija um comprovante de vacinação para permitir a entrada no país. O presidente Jair Bolsonaro, que é contrário a exigência, não comentou a decisão, feita e um momento em que a trégua entre o presidente STF dá sinais de fadiga.

Questionado sobre se a determinação de Barroso foi uma interferência ou extrapolação, Mourão chamou de "bobagem" a discussão.


"Não vou levar para esse lado. A discussão (se foi interferência), eu acho que é uma discussão que não cabe. Bobagem essa discussão. Não traz benefício nenhum, só gera atrito. E atrito só gera desgaste."

Na última semana, Bolsonaro voltou a atacar ministros da Corte, três meses após o armistício que sucedeu as falas de teor golpista, em 7 de setembro. A tensão voltou a crescer depois que o ministro Alexandre de Moraes abriu inquérito para investigar declaração de Bolsonaro, que atribuiu de forma falsa relação entre a vacina da Covid e o vírus do HIV.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários