PSDB vive impasse nas prévias sobre fragilidades em aplicativo de votação
Reprodução
PSDB vive impasse nas prévias sobre fragilidades em aplicativo de votação

Um relatório que aponta possíveis fragilidades no aplicativo de votação das prévias presidenciais do PSDB é o novo motivo de impasse entre os grupos dos  governadores João Doria e Eduardo Leite. O paulista e o gaúcho disputam a indicação do partido ao Palácio do Planalto em pleito interno no dia 21.

A auditoria feita no sistema pela empresa Kryptos, contratada para evitar possíveis invasores e hackers, tem sido usada por aliados de Doria para questionar a segurança do aplicativo, cujo desenvolvimento foi feito por uma fundação ligada à Universidade Federal do Rio Grande do Sul, a Faurgs. O fato de o software ter sido gestado em solo gaúcho inclusive já havia gerado atritos anteriores.

Interlocutores ligados à direção do partido afirmam que embora os desenvolvedores do partido sejam gaúchos, como o governador Eduardo Leite, aqueles que testam sua eficácia e tentam encontrar falhas estão em São Paulo. Não por acaso, o partido contratou não só a Kryptos, mas também uma consultoria ligada à Universidade de São Paulo (USP) e, mais recentemente, ainda outro consultor de Pernambuco.

Em reunião nesta quarta-feira, a Faurgs informou que conseguiu sanar 11 vulnerabilidades encontradas pela Kryptos no aplicativo e mitigar outra. Os problemas citados eram de ordem técnica, como, por exemplo, a adoção de dupla autenticação ( com o envio de SMS) para evitar o risco de uso indevido da foto utilizada pelo usuário por meio de reconhecimento facial. Em nota, a fundação ainda disse que os itens apontados pela Kryptos não colocam em risco a segurança do processo de votação.

As explicações da fundação gaúcha não agradaram a todos e houve resistência. Numa tentativa de conciliar a situação e desfazer o mal estar, o presidente do PSDB, Bruno Araújo, pediu que as empresas tentem chegar a um acordo até o final da semana, quando a Kryptos deve entregar um novo parecer sobre as melhorias feitas pela Faurgs.

Leia Também

Com o acirramento das prévias, Araújo tem evitado dar opiniões e procurado adotar posições diplomáticas, na tentativa de evitar com que a disputa termine num quadro inconciliável de racha.


Ainda assim, ele já deixou claro que a escolha se dará pelo voto eletrônico: "A única possibilidade descartada é a volta a algo mais vulnerável e grave: o voto na cédula eleitoral”, afirma Araújo em nota.

Internamente, tucanos ligados ao PSDB nacional dizem que os aliados de Doria não têm porque temer o aplicativo, já que o estado leva clara vantagem entre os inscritos no sistema até o momento. Até a noite de segunda-feira, a sigla contabilizava 22.189 cadastros, sendo que 13.625 são de paulistas, o equivalente a 61%. No ranking de inscritos, os gaúchos aparecem na segunda posição com apenas 2164 inscritos, seguido de Minas Gerais, com outros 1470.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários