Presidente do Supremo Tribunal Federal, Luiz Fux,  e o presidente da República, Jair Bolsonaro, entraram em rota de colisão
Fellipe Sampaio/SCO/STF
Presidente do Supremo Tribunal Federal, Luiz Fux, e o presidente da República, Jair Bolsonaro, entraram em rota de colisão

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) voltou a fazer ataques a ministros do Supremo Tribunal Federal (STF), mas evitou duras críticas ao presidente da Corte, Luiz Fux, que anunciou mais cedo a suspensão da reunião dos chefes dos três poderes. O motivo desse cancelamento foram as declarações de Bolsonaro contra Luís Roberto Barroso e Alexandre de Moraes, que voltaram a ser alvos do presidente em live na noite desta quinta .

Bolsonaro disse que Fux cancelou o encontro sem comunicar a ele. Na parte da manhã, o presidente acusou as cortes superiores de agirem como uma "ditadura de toga".

"O Fux, é direito dele fazer a nota (pronunciamento). Ele me convidou para a reunião dos chefes de poderes e, sem falar comigo, cancelou. Não teve ataque ao STF. Zero. Se não tem ninguém para te informar, lamento", afirmou Bolsonaro.

Leia mais:  Na maior derrota de Bolsonaro na Câmara, voto impresso é rejeitado em comissão especial

Em outro momento, o presidente disse que Fux se baseou em noticiário da imprensa para cancelar a reunião e acusou

"Aí vem a imprensa, né? Imprensa essa que lamentavelmente o ministro Fux se alimenta dela para fazer uma nota (pronunciamento). Como diz a nota do ministro Fux 'contudo, como tem noticiado a imprensa brasileira'. Ora, prezado ministro Fux, se o senhor se informar na imprensa brasileira, o senhor está desinformado", afirmou.

Você viu?

Bolsonaro acenou, a seu modo, com novo encontro entre os chefes dos Poderes e falou em "armistício". O presidente afirmou que está aberto ao diálogo, com algumas condições.

"Ministro (FUX), só nós dois. Podemos convidar o Rodrigo Pacheco e o Arthur Lira. Nós quatro, para rasgar o verbo, mas com o compromisso de sair dali e não tagarelar para a imprensa. Meu dever é trazer felicidade para o povo e não medir força com o Supremo."

Veja também: Após ataques de Bolsonaro, empresários e intelectuais lançam manifesto de apoio ao processo eleitoral

Barroso e Moraes voltaram a ser criticado por Bolsonaro, que voltou a defender o voto impresso e acusou o presidente do TSE de não querer transparência na votação. E atacou também Moraes, que o incluiu como investigado no inquérito das fake news.

"Estão juntando acusações para usar no futuro, quando eu deixar a Presidência. Qual meu futuro com um ministro que age dessa maneira?"


Segundo o presidente, querem tirá-lo do Palácio do Planalto na "canetada" e torná-lo inelegível.

"Tudo que faço, satanizam, debocham. Não posso defender nada. Por que esse ódio em cima de mim? Querem me tirar daqui com uma canetada. Querem me tornar inelegível na canetada. Isso é jogar dentro das quatro linhas da Constituição. Onde está meu ataque ao STF ou ao TSE?"

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários