Luiz Fernando Pezão, condenado a mais de 98 anos de prisão
EBC
Luiz Fernando Pezão, condenado a mais de 98 anos de prisão

O ex-governador do Estado do Rio de Janeiro, Luiz Fernando Pezão,  foi condenado a mais de 98 anos de prisão  na última sexta-feira (4), pelo juiz Marcelo Bretas, no âmbito da operação Lava Jato do estado. Em entrevista dada nesta quinta-feira (10), o ex-governador criticou o magistrado e afirmou que sua defesa não foi lida. 

“Só quero que leiam a minha defesa. Tenho certeza de que o doutor Bretas não leu. Eu não sei o que fazer para provar a minha inocência”, disse Pezão à Rádio Tupi FM.

Sobre a condenação, o ex-governador voltou a afirmar que não existem provas para sua prisão. A pena de Pezão resultou do processo feito a partir da operação Boca de Lobo, deflagrada em 29 novembro de 2018 pela Polícia Federal.

Condenado desde o fim de 2018, Pezão disse a comunicadora Cidinha Campos que quer saber onde errou. "Eu tenho consciência que eu fiz e da crise que eu enfrentei dentro do estado. Eu estou esperando para mostrarem onde eu errei”, afirmou. 

Você viu?






Operação Boca de Lobo

Teve como finalidade reprimir crimes de lavagem de dinheiro, organização criminosa e corrupção ativa e passiva, cometidos pela alta cúpula da administração do Governo do Estado do Rio de Janeiro. Pezão foi acusado de receber R$ 25 milhões em propinas. Junto com ele, outras 14 pessoas, incluindo o ex-governador do Rio Sergio Cabral e dois ex-secretários, também foram acusados de terem recebido vantagens indevidas.

A partir da operação foram feitas apreensões de documentos, dados bancários, quebras de sigilo telefônicos e fiscais, além de recolhidos depoimentos de colaboradores e relatos de testemunhas para chegar a pena de Pezão.

Em nota, Pezão afirmou que denúncia não traz provas:

"Com relação à denúncia, não foi apresentada nenhuma prova material que demonstre qualquer ganho pelo ex-governador, assim como não há sinais exteriores de riqueza que pudessem sugerir práticas ilícitas. A sentença é calcada em mentiras de delatores condenados que visam a benefícios e redução das penas. Cabe ressaltar que todos os empresários ouvidos sob juramento afirmam que o governador nunca pediu nenhuma vantagem indevida. Tais testemunhos foram estranhamente ignorados pelo juízo".

O ex-governador já acionou os advogados para recorrer da sentença e confia que os Tribunais superiores vão anular esta condenação espúria e restabelecer finalmente a verdade.

 Ouça a íntegra da entrevista do ex-governador Pezão:


    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários