Presidente Jair Bolsonaro (sem partido)
Reprodução
Presidente Jair Bolsonaro (sem partido)

O presidente Jair Bolsonaro fez rápido pronunciamento no Palácio do Planalto na tarde desta quarta-feira (12). Durante a fala, não fez qualquer menção direta à CPI da Covid , que acontecia no Senado Federal.

O chefe do executivo defendeu o fim do uso das urnas eletrônicas nas eleições e pediu o uso do “voto auditável” . Sem apresentar provas de fraude eleitoral, declarou que adotar esse novo modelo traria “lisura” ao processo:

“Tenho certeza que em 2022, com o voto auditável, aprovado por vocês, não teremos mais dúvida na cabeça de qualquer cidadão se o processo foi conduzido por lisura ou não”, declara Bolsonaro , apontando para parlamentares presentes em evento do Ministério do Meio Ambiente em parceria com a Caixa Econômica Federal.

Em tom enigmático, o presidente disse, sem citar nomes, que pessoas querem “atropelar o governo” e pediu para ele ser respeitado:

Você viu?

“Pandemia foi um castigo para o mundo todo, e o governo fez o que pode, os que não fizeram nada agora querem atropelar o governo. Não temo absolutamente nada, e deixo bem claro, só deus me tira daqui, não queremos desafiar ninguém, mas vão nos respeitar, nunca tiveram da minha parte uma só sugestão para censurar quem quer que seja”, disse Bolsonaro.

Vale ressaltar que nesta quarta-feira (12), o ex-secretário de Comunicação da presidência  Fábio Wajngarten prestou depoimento à CPI da Covid no Senado, e entre as declarações mais repercutidas está o fato do governo federal ter demorado mais de dois meses para responder um e-mail enviado pela Pfizer, que pedia uma reunião para tratar sobre compra de vacinas.

Entre os elogios feitos a própria gestão, Bolsonaro disse que no futuro o atual governo "vai deixar saudades, pelo perfil das pessoas que passaram por ele”.


    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários