Haddad será pré-candidato pelo PT à presidência em 2022;  Bolsonaro aposta no antipetismo para conseguir a reeleição
iG Arte
Haddad será pré-candidato pelo PT à presidência em 2022; Bolsonaro aposta no antipetismo para conseguir a reeleição

Passadas as eleições municipais e as do Congresso, legendas começam a se movimentar para lançar seus nomes para as eleições de 2022 . No último dia 5,  Fernando Haddad foi sugerido pelo ex-presidente Lula como candidato do Partido dos Trabalhadores (PT).

Faltando mais de um ano e meio para o pleito, a escolha do PT já tem sofrido críticas tanto direita - por conta de todo passivo ético e da crise econômica e deixada pelo governo Dilma - quanto da própria esquerda, que, entre outros fatores, julga que o PT não abdica de seu "projeto de poder".

Segundo  Ivan Filipe Fernandes , mestre e doutor em Ciência Política e professor de Políticas Públicas da Universidade Federal do ABC, o Partido dos Trabalhadores vê como mais desafiadora a vitória de um candidato de centro-esquerda do que a vitória de um candidato de direita. Isso porque a conquista de um candidato do mesmo campo ameaçaria sua hegemonia neste espectro político.

"Se mantiver a hegemonia na esquerda, cedo ou tarde, o PT consegue voltar ao poder, porque essas transições são naturais em regimes democráticos. Mas, se ele perde espaço nesse espectro ideológico, talvez nunca volte ao poder, como foi o caso do PSDB , que perdeu espaço para o bolsonarismo de extrema-direita", explica.

Para Leandro Consentino , cientista político e professor da Insper, além do PT - que não mostra muito interesse em organizar uma frente ampla antibolsonarista  -, outros quadros da oposição também têm tido dificuldades para se organizar

"Na oposição, ninguém está se entendendo. Todo o espectro, tanto no centro quanto na esquerda, está com dificuldades para encontrar um projeto único. É uma dificuldade inerente ao fato de haver uma pulverização muito grande de candidaturas, mas também ao fato de que ninguém está disposto a ceder espaço dentro de um projeto", afirma.

Entre as alternativas da oposição está um velho conhecido da política brasileira:  o ex-governador do Ceará e ex-ministro da Fazenda, Ciro Gomes (PDT). 

Na última quinta-feira (11), Carlos Lupi, presidente nacional do PDT, reforçou o intuito do partido de lançar Ciro como "líder" de uma  eventual frente ampla em 2022.  Essa aliança, porém, não deve ser reforçada pelo PT, que não se submeteria a ser coadjuvante no pleito para 2022. E o inverso vale para os demais partidos de centro-esquerda, que não enxergam mais no PT a mesma força de outrora.

"O PT perdeu, nas últimas eleições, o monopólio que tinha na esquerda. O próprio Ciro Gomes deu um recado muito forte durante o pleito de 2018 . Outras forças foram se aglutinar de maneiras diversas. O próprio PSB saiu de uma órbita mais lulista, o Boulos ganhou uma dimensão muito grande nas eleições para a prefeitura— que não sei se repetirá— mas foi melhor do que o PT e teria dificuldade de se submeter a uma candidatura petista . E do lado do centro eu enxergo ainda menos possibilidade", diz Leandro Consentino.

A opinião é compartilhada por Ivan Fernandes. Para ele, os demais partidos da oposição "buscam espaço dentro da radicalização política no Brasil e apostam que, em algum momento, haja uma moderação do eleitorado que permita que essas opções alternativas de centro, seja na centro-direita com Doria, seja na centro-esquerda com Ciro, consigam ir para o segundo turno".

Você viu?

"O desafio deles é chegar a uns 20% dos votos no primeiro turno que consigam credenciá-los para o segundo turno", continua o cientista político.

2022 e a chance de um novo Bolsonaro x Haddad

Com a pulverização de candidaturas, é bastante provável que 2022 repita o mesmo cenário de 2018: de um lado o bolsonarismo, e do outro, o petismo, ambos com seu contingente fiel chegando ao segundo turno. 

Para Ivan Fernandes, o cenário que se desenha a partir de agora é o mesmo que nos levou ao segundo turno em 2018: um esvaziamento eleitoral dos partidos de centro, a reorganização dos antipetistas em torno da candidatura de Bolsonaro e a reorganização dos petistas em torno de Haddad e Lula, o que levaria, segundo ele, a um segundo turno  com disputa aberta e "novamente radicalizado".

"O PT está pagando pra ver se a rejeição ao partido é maior que a rejeição ao bolsonarismo , como pagou em 2018. Talvez seja, talvez não seja. Você tem ali uma forte rejeição ao petismo como um fator estruturante do eleitorado brasileiro como algumas pesquisas já mostram há algum tempo. Por outro lado, Bolsonaro é um candidato populista, com verniz autoritário, defensor do regime militar, que vem tendo um governo bastante conturbado, com diversos problemas. A questão econômica é muito grave, o mau desempenho no combate à pandemia , também. É uma aposta incerta", diz o professor da UFABC .

Para Leandro Consentino, existem, hoje, dois sentimentos fortes na sociedade: o antipetismo e o antibolsonarismo , e um eventual segundo turno entre os representantes antagônicos seria o cenário ideal para ambos.

"Os dois cobiçam esse quadro porque querem jogar o mesmo jogo. Bolsonaro porque entende que vai repetir o seu desempenho, e o PT porque acredita que o Bolsonaro chega desgastado por uma queda de popularidade e pode dar espaço à volta do PT", complementa.

Ciro Gomes, Flávio Dino, Boulos e outros quadros da oposição

Para Ivan Fernandes, de todas os quadros alternativos de centro-esquerda, o que tem mais chance de bater de frente com Bolsonaro em 2022 é o pedetista Ciro Gomes , pois "se apresenta como o candidato mais moderado". Ele aponta, também, o governador do Maranhão, Flávio Dino , como uma possibilidade viável.

"Ciro já teve incursões com o centro, conseguiria fazer um diálogo muito claro com a centro-direita, com Rodrigo Maia, até mesmo com João Doria. Acredito que Flávio Dino teria também essa capacidade. Em um potencial segundo turno de Flávio Dino e Ciro Gomes contra Jair Bolsonaro, aposto que os dois seriam eleitos, pois são políticos que mostraram ao longo da sua vida pública uma capacidade maior de diálogo com as posições de centro e centro-direita", diz.

Quanto a Boulos , o professor da UFABC vê maiores dificuldades. "Acho que Boulos ainda não passou por esse processo de moderação, ele ainda vem representando muito a figura do Lula e tentando repetir os passos do Lula na década de 90.

Para Leandro Consentino, para que algum desses candidatos tenha chance contra Bolsonaro, será preciso construir uma união democrática que evite a pulverização das candidaturas.

"Não enxergo em nenhum desses candidatos um poder de aglutinar forças. Precisamos que mostrem essa disposição de deixar para trás uma série de ressentimentos e, acima disso, montar um projeto comum. Se todos esses candidatos aparecerem na urna novamente em 2022, Bolsonaro ganha com o pé nas costas; ele tem apoio agora do centrão e consegue se colocar para a reeleição. Se, por outro lado, a oposição começar a cerrar fileiras e conseguir chegar a um denominador comum, há possível viável." 

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários